Na noite de 2 de setembro de 2018, um incêndio atingiu o Museu Nacional do Brasil, devastando a instituição científica mais antiga do país e um dos maiores e mais importantes museus da América do Sul. Na terça-feira, o museu anunciou que recebeu uma grande doação de fósseis brasileiros antigos para ajudar a reconstruir sua coleção antes da reabertura programada para 2026.

Burkhard Pohl, colecionador e empresário suíço-alemão que mantém uma das maiores coleções privadas de fósseis do mundo, entregou ao Museu Nacional cerca de 1.100 exemplares, todos originários do Brasil. A doação é a maior e mais importante contribuição cientifica até agora para os esforços de reconstrução do museu, após a perda de 85 por cento do seu cerca de 20 milhões de espécimes e artefatos no fogo.

A medida também devolve tesouros científicos a um país que muitas vezes viu a sua património natural desaparece além das suas fronteiras — e apresenta um potencial modelo global para a construção de um museu de história natural no século XXI.

“O mais importante é mostrar ao mundo, no Brasil e fora do Brasil, que estamos unindo pessoas privadas e instituições públicas”, disse Alexander Kellner, diretor do Museu Nacional. “Queremos que outros sigam este exemplo, se possível, para nos ajudar nesta tarefa realmente hercúlea.”

Muito mais do que as exposições públicas que acolhem, os museus de história natural salvaguardam o património científico e cultural mundial para as gerações futuras. O Incêndio de 2018 destruído todas as coleções de insetos e aranhas do Museu Nacional, além de múmias egípcias compradas pela antiga família imperial brasileira.

As chamas também consumiram mais de 60% dos fósseis do museu, incluindo partes de um espécime que os cientistas usaram para identificar o Maxakalisaurus, um dinossauro brasileiro de pescoço longo. Os fósseis recentemente doados incluem plantas, insetos, dois dinossauros que podem representar novas espécies e dois crânios requintados de pterossauros, os répteis voadores que pairavam sobre as cabeças dos dinossauros. A doação também inclui fósseis previamente estudados, incluindo o enigmático réptil Tetrapodophis, que foi identificado como uma “cobra de quatro patas” em 2015, mas agora é considerado um lagarto aquático.

Dr. Pohl, que vem de uma família de colecionadores de arte, minerais e fósseis, disse que suas doações foram destinadas a garantir que o Museu Nacional do Brasil tenha uma coleção abrangente e acessível do patrimônio fóssil do próprio país.

“Uma coleção é um organismo”, disse Pohl em entrevista. “Se estiver trancado, está morto; ele precisa viver.

Os ossos fornecem instantâneos da vida no que hoje é o nordeste do Brasil, entre 115 milhões e 110 milhões de anos atrás, quando a região era um pântano pontilhado de lago frequentemente inundado por um jovem e crescente Oceano Atlântico. Com o tempo, esses antigos corpos d’água deram origem às Formações Crato e Romualdo, depósitos calcários na Bacia do Araripe onde hoje são escavadas pedreiras em busca de matéria-prima para a produção de cimento. Fósseis impecavelmente preservados espreitam entre as rochas, alguns dos quais se formaram quando os corpos das criaturas foram rapidamente cobertos por lama microbiana ao longo das antigas linhas costeiras e depois enterrados. Os fósseis do Crato estavam achatados como flores prensadas; Os fósseis de Romualdo foram sepultados em nódulos de pedra.

Desde 1942, o Brasil trata os fósseis como propriedade nacional e proíbe estritamente sua exportação comercial. Mas durante décadas, os fósseis brasileiros das Formações Crato e Romualdo circularam no mercado global de fósseis, vendidos para acervos de museus e coleções particulares em todo o mundo, incluindo a do Dr. Pohl.

Os paleontólogos brasileiros que ficaram entusiasmados com o regresso dos fósseis ao seu país de origem enfatizaram as oportunidades de investigação e formação que representam – e o precedente positivo que poderiam ajudar a estabelecer para outros doadores. “É muito positivo mostrar talvez a alguns outros colecionadores que as coisas podem ser feitas de maneira amigável”, disse Taissa Rodrigues, paleontóloga da Universidade Federal do Espírito Santo, no Brasil.

As sementes para a doação do Dr. Pohl foram plantadas em 2022, quando o Dr. Kellner conheceu Frances Reynolds, fundadora de uma organização artística brasileira sem fins lucrativos chamada Instituto Inclusartiz. Ela rapidamente abraçou a missão de reconstruir as coleções do Museu Nacional, recorrendo a uma rede de colecionadores para garantir empréstimos e doações de longo prazo.

“Se nós podemos ajudar e não o fazemos, então não posso esperar nada de mais ninguém”, disse Reynolds. “Tem sido muito trabalhoso, mas uma experiência incrível.”

A Sra. Reynolds soube da coleção de fósseis do Dr. Pohl através de seu filho, que administra galerias de propriedade do Interprospekt Group do Dr. Pohl, uma empresa de fósseis e pedras preciosas com sede na Suíça. Seguiu-se um ano de negociações e os fósseis foram embarcados para o Brasil em 2023; eles estão alojados em instalações provisórias até que o prédio principal do museu seja restaurado.

Além dos fósseis, o Museu Nacional faz parceria com o Grupo Interprospekt para realizar pesquisas conjuntas nos Estados Unidos. No verão passado, um grupo de seis paleontólogos e estudantes brasileiros viajou para Thermopolis, Wyoming, onde o Dr. Pohl mantém um museu privado de fósseis. Lá, a equipe brasileira ajudará na busca por fósseis que poderão posteriormente integrar o acervo do Museu Nacional.

Kellner e Sra. Reynolds estão solicitando ativamente doações e colaborações, e instituições internacionais estão respondendo ao chamado. No ano passado, o Museu Nacional da Dinamarca doou um manto vermelho de penas escarlates de íbis feito pelo povo Tupinambá do Brasil, um dos únicos 11 artefatos remanescentes no mundo. O museu também é trabalhando em estreita colaboração com os grupos indígenas do Brasil reconstruir as coleções etnográficas do museu.

“Este poderia ser um grande ponto de viragem”, disse Kellner. “É realmente algo para o futuro do nosso povo.”