Quando a futura imperatriz do Japão ingressou no corpo diplomático de elite do país em 1987, um ano após a entrada em vigor de uma importante lei trabalhista igualitária, ela era uma das três únicas mulheres recrutadas. Conhecida então como Masako Owada, ela trabalhava muitas horas e tinha um carreira em ascensão como negociador comercial. Mas ela durou pouco menos de seis anos no cargo, abrindo mão dele para se casar com o príncipe herdeiro – e agora imperador – Naruhito.

Muita coisa mudou para o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Japão – e, de certa forma, para as mulheres japonesas de forma mais ampla – nas três décadas seguintes.

Desde 2020, as mulheres representam quase metade de cada turma de diplomatas ingressantes, e muitas mulheres continuam as suas carreiras depois de se casarem. Estes avanços, num país onde as mulheres eram predominantemente contratadas apenas para cargos administrativos na década de 1980, mostram como o simples poder dos números pode, ainda que lentamente, começar a refazer as culturas do local de trabalho e a criar um canal para a liderança.

Durante anos, o Japão promoveu mulheres no local de trabalho para ajudar sua economia crepitante. Os empregadores do sector privado tomaram algumas medidas, como incentivar os trabalhadores do sexo masculino a fazerem mais em casa ou estabelecer limites às saídas depois do trabalho que podem complicar o cuidado dos filhos. Mas muitas mulheres ainda lutam para equilibrar as suas carreiras com as obrigações domésticas.

O Itamaraty, liderado por uma mulherYoko Kamikawa, ultrapassa outras agências governamentais e nomes corporativos conhecidos como Mitsubishi, Panasonic e SoftBank num importante sinal de progresso: a colocação de mulheres em empregos profissionais e de carreira.

Com mais mulheres nos cargos do ministério, disse Kotono Hara, diplomata, “a forma de trabalhar está a mudar drasticamente”, com horários mais flexíveis e a opção de trabalhar remotamente.

A Sra. Hara foi uma das seis mulheres que ingressaram no ministério em 2005. No ano passado, ela foi gerente de eventos de um encontro de líderes mundiais que o Japão sediou em Hiroshima.

Na preparação para a cúpula do Grupo dos 7, ela trabalhou no escritório até as 18h30 e depois foi para casa alimentar e dar banho em seu filho em idade pré-escolar, antes de conversar com sua equipe on-line no final da noite. No início de sua carreira, ela presumiu que tal trabalho não era o “tipo de posição que seria desempenhada por uma mãe”.

Parte do progresso para as mulheres no Ministério dos Negócios Estrangeiros ocorreu quando os homens das universidades de elite se voltaram para empregos bancários e de consultoria bem remunerados, e as mulheres instruídas passaram a ver o sector público como atractivo.

No entanto, à medida que as mulheres ascendem no corpo diplomático, elas – tal como as suas homólogas noutros empregadores – têm de conciliar longas horas de trabalho, além de arcar com os encargos. a maior parte dos deveres na frente interna.

Os funcionários do ministério trabalham muitas vezes até às 9 ou 10 da noite, e por vezes até muito mais tarde. Essas horas tendem a recair mais sobre as mulheres, disse Shiori Kusuda, 29, que ingressou no ministério há sete anos e partiu no início deste ano para trabalhar como consultora em Tóquio.

Muitos dos seus chefes homens no Ministério dos Negócios Estrangeiros, disse ela, iam para casa, para as esposas que cuidavam das suas refeições e da roupa, enquanto as suas colegas realizavam elas próprias as tarefas domésticas. Os homens são incentivados a tirar licença paternidade, mas se o fizerem, geralmente é uma questão de dias ou semanas.

Algumas partes da cultura mudaram, disse Kusuda – colegas do sexo masculino serviam proativamente cerveja para ela nas sessões de bebida depois do trabalho, em vez de esperar que ela os servisse. Mas para as mulheres “que precisam lavar roupa ou cozinhar depois de voltarem para casa, uma hora extra de trabalho é muito importante”, disse Kusuda.

Em 2021, o último ano para o qual estão disponíveis estatísticas governamentais, as mulheres casadas, trabalhadoras e com filhos assumiram mais de três quartos das tarefas domésticas. Essa carga é agravada pelo facto de os funcionários japoneses, em média, fazerem quase 22 horas extras por mês, de acordo com uma pesquisa realizada no ano passado pelo Doda, um site de procura de emprego.

Em muitas profissões, as horas adicionais são muito mais elevadas, uma realidade que levou o governo a recentemente limitar horas extras a 45 horas por mês.

Antes da Lei de Igualdade de Oportunidades no Emprego entrar em vigor em 1986, as mulheres eram contratadas principalmente para “ochakumi”, ou “servir chá”, empregos. Os empregadores raramente recrutavam mulheres para cargos que pudessem levar a cargos executivos, gerenciais ou de vendas.

Hoje, o Japão está se voltando para mulheres para fazer face à grave escassez de mão-de-obra. Ainda assim, embora mais de 80% das mulheres com idades compreendidas entre os 25 e os 54 anos trabalhem, elas representam pouco mais de um quarto dos trabalhadores permanentes a tempo inteiro. Apenas cerca de um em cada oito gestores são mulheres, de acordo com dados do governo.

Alguns executivos dizem que as mulheres simplesmente optam por limitar suas carreiras. As mulheres japonesas “não são tão ambiciosas em comparação com as mulheres no mercado global”, disse Tetsu Yamaguchi, diretor de recursos humanos globais da Fast Retailing, a gigante do vestuário proprietária da Uniqlo. “A prioridade deles é cuidar dos filhos, em vez de desenvolver a carreira.”

Em todo o mundo, 45% dos gestores da empresa são mulheres. No Japão, essa proporção é de pouco mais de um quarto.

Especialistas dizem que recai sobre os empregadores a responsabilidade de tornar mais fácil para as mulheres combinar o sucesso profissional e a maternidade. As barreiras de carreira para as mulheres poderiam prejudicar a economia em geral e, à medida que o país taxa de natalidade diminuidestruir as expectativas no trabalho e em casa pode desencorajar mulheres ambiciosas de terem filhos.

Na Sony, apenas um em cada nove gestores no Japão é mulher. A empresa está a tomar pequenas medidas para apoiar as mães que trabalham, como a oferta de cursos para futuros pais, nos quais são ensinados a mudar fraldas e a alimentar os bebés.

Durante uma aula recente na sede da empresa em Tóquio, Satoko Sasaki, 35 anos, grávida de sete meses, observou seu marido, Yudai, 29 anos, engenheiro de software da Sony, colocar uma barriga protética simulando as sensações físicas da gravidez.

Sasaki, que trabalha como administradora em outra empresa em Tóquio, disse que ficou comovida porque o empregador de seu marido estava tentando ajudar os homens a “entender minha situação”.

Na sua própria empresa, disse ela, chorando, “não tenho muito apoio” de colegas seniores do sexo masculino.

Takayuki Kosaka, o instrutor do curso, exibiu um gráfico mostrando o tempo investido em casa por uma mãe e um pai típicos durante os primeiros 100 dias de vida de um bebê.

“O pai não está fazendo nada!” disse o Sr. Kosaka, apontando para uma barra azul que representa o horário de trabalho do pai das 7h às 23h. “Se ele volta para casa às 23h, isso não significa que ele também saiu para beber?” ele adicionou.

Festas com colegas depois do trabalho são praticamente obrigatórias em muitas empresas japonesas, exacerbando a cultura do excesso de trabalho. Para reduzir esses compromissos, o Itochu, um conglomerado proprietário da rede de lojas de conveniência Family Mart, entre outras empresas, determina que todas essas festas terminem até as 22h – ainda um horário que dificulta o cuidado das crianças.

Rina Onishi, 24 anos, que trabalha na sede de Itochu em Tóquio, disse que participava dessas festas três vezes por semana. Isso é progresso, disse ela: No passado, havia muitos mais.

As noites de bebedeira complementam os dias longos. A empresa agora permite que os funcionários comecem a trabalhar a partir das 5h, uma política que visa, em parte, apoiar os pais que desejam sair mais cedo. Mas muitos funcionários ainda fazem horas extras. A Sra. Onishi chega ao escritório às 7h30 e normalmente fica até depois das 18h.

Algumas mulheres impõem limites às suas horas de trabalho, mesmo que isso signifique renunciar a promoções. Maiko Itagaki, 48 anos, trabalhou em um ritmo extenuante como redatora publicitária antes de ser internada no hospital com uma hemorragia cerebral. Depois de se recuperar, ela se casou e deu à luz um filho. Mas ela estava no escritório quando a mãe ligou para dizer que havia perdido os primeiros passos do filho.

“Pensei: ‘Por que estou trabalhando?’”, disse Itagaki.

Ela mudou-se para uma empresa que realiza campanhas de mala direta, onde chega às 9h e sai às 18h. Ela recusou uma promoção para a gerência. “Achei que acabaria sacrificando meu tempo privado”, disse ela. “Parecia que eles só queriam que eu fizesse tudo.”

No Ministério das Relações Exteriores, Hikariko Ono, embaixadora do Japão na Hungria, foi a única mulher entre 26 diplomatas contratados em 1988.

Ela adiou o nascimento de um filho por medo de que seus chefes pensassem que ela não levava sua carreira a sério. Hoje em dia, ela lembra às colegas mais jovens que, se quiserem ter filhos, não estão sozinhas.

“Você pode contar com a creche ou com seus pais ou amigos”, disse ela. “Ou até mesmo seu marido.”