Michelle Goldberg

Placas antiaborto em frente à Câmara Municipal do Arizona, em Phoenix.Crédito…Cassidy Araiza para o New York Times

Na quarta-feira, ativistas antiaborto lotaram a galeria da Câmara do Arizona para protestar contra os planos de revogar a impopular proibição do aborto de 1864 no estado. Antes do início dos trabalhos legislativos do dia, um homem com um chapéu de cowboy branco, invocando uma tradição dos comícios de Donald Trump, apontou para a secção de comunicação social e liderou a multidão em gritos furiosos de “vergonha!”

Isto pareceu-me irónico, uma vez que foi o próprio Trump, muito mais do que qualquer jornalista, quem encorajou uma pequena mas decisiva facção de republicanos a romper com os líderes anti-aborto e a eliminar a proibição abrangente do aborto no Arizona, o que a Câmara fez numa votação de 32 a 32. -28 votos. O Senado poderá votar o assunto na próxima semana.

Fui ao Capitólio em parte porque estava curioso para saber se o movimento antiaborto se sentia traído pelos republicanos. Afinal de contas, durante décadas o partido cumpriu principalmente as ordens do movimento, mas na quarta-feira, cedendo à pressão popular, três republicanos juntaram-se aos democratas a favor da revogação. É quase certo que o Arizona se tornará o primeiro estado com uma legislatura republicana a recuar nas suas mais draconianas restrições ao aborto pós-Roe.

Isto poderia nunca ter acontecido se Trump não tivesse defendido a demolição do estatuto da era vitoriana, seguido por Kari Lake. (Embora ela tenha mudado novamente, lamentando a recusa do procurador-geral do Arizona em fazer cumprir a proibição de 1864.)

Após a votação, os ativistas ficaram furiosos com os legisladores republicanos que romperam as fileiras. Alguns estavam descontentes com Lake. Ninguém com quem conversei, entretanto, culpou Trump. Muitos não sabiam que Trump se opunha à lei de 1864.

“Eu não ouvi isso, não”, disse Karen Mountford, membro do comitê distrital republicano – os republicanos do Arizona não usam títulos de gênero neutro – vestindo uma camiseta “Trump Girl”.

Anthony Kern, um senador estadual republicano de extrema direita, que pontificava fora do Capitólio sobre a necessidade de retornar às fundações cristãs da América, prometeu que os três republicanos que votaram pela revogação da proibição do aborto seriam destituídos. Lake, disse ele, está “errado nesta questão”. Mas Trump? “Vou dar-lhe o benefício da dúvida porque ele tem sido o presidente mais pró-vida de sempre”, disse Kern.

Talvez esta flexibilidade não seja surpreendente: mais tarde na quarta-feira, Kern foi indiciado pelo Estado, acusado de fraude e falsificação por seu papel no falso esquema eleitoral de Trump no Arizona.

Em 2016, os conservadores cristãos argumentaram que tinham de votar em Trump para proibir o aborto. Oito anos depois, Trump tornou-se um fim em si mesmo; para ele e somente ele, a hesitação em relação ao aborto pode ser ignorada.



Source link