O mundo está observando o que está acontecendo nos campi americanos com choque, orgulho, prazer e alarme. As cenas dos protestos – e das detenções de manifestantes – têm sido notícias de topo em todo o mundo, de Bogotá a Berlim, de Teerão a Paris.

Em alguns países, incluindo a França, os estudantes organizaram os seus próprios protestos, embora não com a escala e intensidade daqueles nos Estados Unidos.

Alguns aplaudem os protestos. Outros, especialmente em países governados por regimes autoritários, vêem as repressões como prova da hipocrisia da América em relação aos direitos humanos e à liberdade de expressão. Outros ainda os vêem como o mais recente capítulo sórdido das guerras culturais em curso na América.

De certa forma, os protestos e a resposta a eles são um teste de Rorschach para o mundo – a análise oferece muitas vezes mais informações sobre a política local do que sobre a América.

Aqui está uma seleção de visualizações de todo o mundo.

Muitos em França, incluindo o primeiro-ministro Gabriel Attal, vêem os protestos pró-palestinos como mais um exemplo dos perigos da cultura “acordada” – “le wokisme” – que temem estar a ser importada dos Estados Unidos e a ameaçar os principais valores republicanos franceses.

Na sexta-feira, policiais cobrado em uma universidade de elite em Paris, a Sciences Po, para remover estudantes que ocuparam o prédio durante a noite. Os manifestantes exigiram que a universidade condenasse o que chamaram de “o genocídio em curso em Gaza” e reavaliasse as suas parcerias com universidades israelitas.

Foi a segunda vez que a polícia o fez nos últimos nove dias – algo que muitos dizem nunca ter visto antes na universidade, que foi fundada em 1872 para educar os futuros líderes do país.

Attal denunciou uma “minoria ativa e perigosa” de estudantes manifestantes que, segundo ele, queriam impor “uma ideologia vinda do outro lado do Atlântico”.

Seja nos Estados Unidos ou em França, os protestos são vistos por muitos, especialmente pela direita, através das mesmas lentes de movimentos anteriores como o #MeToo e o Black Lives Matter, que o establishment francês analisou desdenhosamente como redutor e divisivo, uma ameaça para a coesão social.

“Uma das características do wokisme é dividir o mundo em dominantes e dominados, opressores e oprimidos. Hoje, o que vemos acontecer nos campi americanos é uma visão que classifica Israel como opressor e a Palestina como oprimida”, disse Chloé Morin, analista política que publicou recentemente um livro denunciando o wokismo. “Como resultado, eles não podem aceitar que o antissemitismo existe e que os judeus também podem ser vítimas.”

Um conhecido acadêmico e especialista no Islã, Gilles Kepel, fez uma análise semelhante. “O wokisme multiplica o narcisismo das pequenas diferenças, o que significa que nenhuma sociedade é possível”, escreveu ele na revista L’Express. “É um perigo mortal para as sociedades democráticas.”

Os defensores dos protestos rejeitam a noção de que são importados dos campi americanos. Eles ressaltam que os estudantes da Sciences Po realizaram protestos muito antes da erupção do campus de Columbia.

“Não se trata aqui de um imitador”, disse Pierre Fuller, professor de história chinesa na Sciences Po, que no final de Março organizou uma petição de professores apelando à universidade para condenar tanto a política israelita em Gaza como a tomada de reféns pelo Hamas.

“Se for uma imitação consciente, prefiro ser acordado do que alguém que apoia o genocídio”, disse Jack Espinose, 22 anos, estudante de relações públicas da Sciences Po que estava entre os estudantes arrastados pela polícia na sexta-feira.

Um talk show de tendência direitista transmitido em todo o Egipto concedeu recentemente uma quantidade inesperada de tempo de antena à prisão de um professor de economia na Universidade Emory. A apresentadora do programa pareceu particularmente impressionada com a imagem de sua cabeça sendo batida no concreto por um policial durante o fim de um protesto no campus, segurando a imagem por dois minutos.

“Essa é a verdadeira Casa Branca”, disse o anfitrião, Ahmed Moussa, com evidente prazer. “Quaisquer palavras que os americanos disseram antes, simplesmente não acreditem nelas. Acredite apenas no que você vê.

Moussa, que certa vez disse estar orgulhoso de servir patrioticamente os militares no poder e as agências de segurança, está entre as várias personalidades importantes da TV egípcia que atacaram as duras táticas usadas pela polícia nos campi dos EUA como forma de criticar Washington, que por últimos anos colocou o Cairo no alvo de advertências sobre os direitos humanos.

Imagens de policiais esmurrando ou arrastando estudantes foram veiculadas em muitos canais de notícias. Moustpha Bakry, membro do Parlamento com o seu próprio programa de televisão, disse que os EUA perderam a sua credibilidade como defensores das liberdades.

“Você caiu no pântano”, disse Bakry.

Nashat Dehi, um importante apresentador de TV do canal Ten, que se acredita estar ligado à agência de inteligência do país, disse que o Cairo não era mais obrigado a responder ao relatório anual sobre direitos humanos do Departamento de Estado dos EUA sobre o Egito.

“A administração dos EUA está a fazer a sua própria intifada para combater os manifestantes das universidades”, disse ele.

Os meios de comunicação social da Alemanha cobriram os protestos nos EUA muito mais extensivamente do que aqueles que ocorreram nos seus próprios campi nos últimos meses. Em particular, limitaram-se a episódios de anti-semitismo.

Uma manchete recente no Die Welt dizia: “Com rostos sorridentes eles pregam o ódio contra os judeus”. Os artigos publicados no seu site sobre os protestos são rotulados como “protestos anti-semitas”.

Esse foco oferece uma justificativa para as decisões alemãs de proibir muitos protestos contra a guerra e desencorajar as críticas públicas a Israel em nome da luta contra o anti-semitismo. Essa abordagem tem sido alvo de censura internacional, especialmente pelo seu efeito inibidor sobre o mundo das artes.

“Deve-se presumir que o discurso sobre o Médio Oriente em Nova Iorque e Londres deve ser considerado exemplar?” escreveu um comentarista do jornal de esquerda Taz.

Um lugar onde os protestos nos campus americanos quase não receberam cobertura é a China, onde a mídia estatal fez pouca menção a eles na semana passada.

A razão mais provável: as autoridades chinesas não querem protestos estudantis nos seus próprios campi, disse Jean-Pierre Cabestan, professor emérito de ciência política na Universidade Baptista de Hong Kong. “Eles temem que os estudantes usem isso como desculpa para se mobilizarem”, disse ele.

A principal exceção é o Guancha, um site nacionalista com um longo histórico de condenação dos Estados Unidos. Na quinta-feira, exibiu com destaque artigos que sugeriam que os protestos mostravam divisões nos Estados Unidos, sintomáticas de um declínio mais amplo na coesão social.

Outras organizações de notícias chinesas com público-alvo fora da China, bem como operações de influência secreta, aproveitaram a oportunidade para amplificar os protestos e inflamar as tensões.

Embora as autoridades chinesas tenham dito pouco à sua própria população, Hua Chunying, a principal porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, criticou os Estados Unidos no X, que está bloqueado na China continental.

Ela postou uma montagem em vídeo de cenas da polícia americana lutando com os manifestantes, juntamente com uma pergunta: “Lembra-se de como as autoridades dos EUA reagiram quando esses protestos aconteceram em outros lugares?”

Os dois maiores jornais do país, El Tiempo e El Espectador, publicaram editoriais apoiando os protestos estudantis esta semana.

No El Tiempo, os editores viram as violentas detenções de estudantes como uma oportunidade para lembrar aos leitores a crise humanitária em Gaza, para que esta não “se tornasse parte da paisagem”, disse Federico Arango, o editor de opinião. Ele disse que perdeu a conta do número de editoriais que o jornal publicou sobre a guerra.

“Esperamos que os protestos não terminem apenas em controvérsia”, disse Arango. “Espero que as pessoas vejam que esses estudantes não estão a favor ou contra Biden ou Trump. Acho que o que esses estudantes querem é que as pessoas vejam a trágica realidade pela qual o povo palestino está passando.”

Esta semana, o presidente de esquerda do país, Gustavo Petro, anunciou que estava rompendo relações diplomáticas com Israel. Ele descreveu as ações do governo israelense em Gaza como “genocidas”.

Na Universidade Nacional de Bogotá, uma instituição pública conhecida pelos movimentos estudantis, as paredes exibiam slogans pintados como: “Não é uma guerra, é um genocídio” e “Não deixem de falar sobre a Palestina”.

“O importante é mostrar o seu descontentamento, mostrar que você não está fechando os olhos para o que está acontecendo no mundo”, disse Yadir Ramos, 22 anos, estudante de psicologia.

A mídia estatal do Irã tem coberto de perto os protestos nos campi universitários americanos, considerando-os uma prova dos padrões duplos dos EUA em relação à liberdade de expressão.

Fotos da tropa de choque invadindo a Universidade de Columbia apareceram nas primeiras páginas de vários jornais conservadores no Irã na quinta-feira, com as manchetes dizendo: “É assim que a América trata os estudantes” e “A repressão e a expulsão são o preço de ser liberal”.

O ministro das Relações Exteriores, Hossein Amir Abdollahian, expressou preocupação com a segurança dos estudantes ativistas e manifestantes americanos. Semana passada, em X, ele postou um vídeo de policiais abordando estudantes e algemando-os, chamando-o de “repressão” e dizendo que “mostra claramente a política dupla e o comportamento contraditório do governo americano em relação à liberdade de expressão”.

Muitos iranianos comuns também recorreram às redes sociais para expressar consternação pelo facto de as universidades dos EUA, que consideravam bastiões da liberdade de expressão e debate, terem chamado a polícia.

Raika, 45 anos, moradora de Teerã, que pediu que seu sobrenome não fosse divulgado por medo de retaliação, disse que a violência a lembrou de quando ela era uma estudante universitária no Irã e agentes de segurança à paisana invadiram o campus da Universidade de Teerã, espancando e prendendo estudantes que estavam organizando um protesto.

Mas, pelo menos, ela disse que os estudantes nos EUA tiveram acesso a um processo judicial justo e independente.

O relatório foi contribuído por Érika Salomão Em Berlim; Jorge Valencia em Bogotá, Colômbia; Farnaz Fassihi Em Nova Iórque; Keith Bradsher em Pequim; e Alegria Dong em Hong Kong; Emad Mekay em Cairo; e Ségolène Le Stradic em Paris.