A Universidade de Columbia pediu ao Departamento de Polícia de Nova York, em uma carta na terça-feira, que limpasse um prédio ocupado por manifestantes e acampamentos pró-Palestina, e pediu que a polícia permanecesse no campus até pelo menos 17 de maio, após o início.

O presidente Nemak Shafit solicitou a assistência do NYPD em uma carta que foi divulgado depois que a polícia entrou no Hamilton Hall e prendeu os manifestantes que ocuparam o prédio na manhã de terça-feira. O início da Columbia está atualmente agendado para 15 de maio.

No final da noite, dezenas de policiais chegaram, subiram pelas janelas do campus e prenderam manifestantes que ocupavam um prédio desde a manhã de terça-feira. Grande parte do campus foi esvaziada, embora dezenas de manifestantes ainda gritassem do lado de fora dos portões.

Dr. Shafik disse na carta que “a tomada de Hamilton Hall e a continuação dos acampamentos levantam sérias preocupações de segurança para os indivíduos envolvidos e para toda a comunidade”, acrescentando que “estas actividades tornaram-se um íman para os manifestantes fora dos nossos portões, o que cria um risco significativo para o nosso campus e perturba a capacidade da Universidade para continuar as operações normais.

A decisão no início deste mês de trazer a polícia ao campus para limpar uma tenda de protesto gerou duras críticas de alguns estudantes e professores. Mas a Dra. Shafik disse na terça-feira que ela “não teve escolha”.

“Com o apoio dos curadores da Universidade, determinei que a ocupação do edifício, os acampamentos e as perturbações relacionadas representam um perigo claro e presente para pessoas, propriedades e para o funcionamento substancial da Universidade e exigem o uso de autoridade de emergência para proteger pessoas e propriedades”, escreveu ela.

Ela continuou: “Com o maior pesar, solicitamos a ajuda do NYPD para retirar todos os indivíduos de Hamilton Hall e de todos os acampamentos do campus”.

Na carta, o Dr. Shafik afirmou que na madrugada de 30 de abril, um grupo de indivíduos entrou no Hamilton Hall “com o propósito de ocupar o prédio” e, embora o prédio estivesse fechado no momento em que os alunos entraram, um indivíduo se escondeu no prédio até depois de fechar e deixar os outros entrarem.

“Acreditamos que embora o grupo que invadiu o edifício inclua estudantes, é liderado por indivíduos que não são afiliados à Universidade”, disse o reitor da universidade. “Os indivíduos que ocuparam Hamilton Hall vandalizaram propriedades da Universidade e estão invadindo.”

Shafik também mencionou o acampamento contínuo no campus West Lawn do Morningside Heights, que existe desde 19 de abril, bem como um acampamento adicional que apareceu na noite de segunda-feira.

“Depois de mais de uma semana de discussões com representantes do grupo engajado no acampamento de Gramado Oeste, chegamos a um impasse no domingo, 28 de abril”, disse ela. “O grupo foi informado que não está autorizado a ocupar espaços no campus, viola as regras e políticas da Universidade e deve se dispersar.”

Ela disse que todos os estudantes universitários do acampamento West Lawn foram informados na manhã de segunda-feira que seriam suspensos se não se dispersassem até as 14h daquele dia e que a participação em outros acampamentos do campus era proibida. Os estudantes que ainda estão nos acampamentos estão suspensos, disse ela.

Na carta, a Dra. Shafik acrescentou que solicitou que o Departamento de Polícia “mantivesse presença no campus até pelo menos 17 de maio de 2024 para manter a ordem e garantir que os acampamentos não sejam restabelecidos”.