Uma questão ainda até hoje não resolvida da geofísica — saber se o campo magnético da Terra se formou com o planeta ou surgiu depois — se encaminha para a resposta, tão logo um novo estudo, liderado pela Universidade de Oxford e MIT, conseguiu recuperar um registro da magnetosfera terrestre com 3,7 bilhões de anos.

Isso significa que a ativação desse importante campo protetor da vida ocorreu na mesma época registrada em estromatólitos, os fósseis mais antigos do planeta. Essas estruturas rochosas, formadas por camadas sucessivas de sedimentos, minerais e micro-organismos, datam de 3,5 bilhões de anos, com alguns podendo mesmo ter chegado aos 3,7 bilhões.

O novo estudo, publicado na revista Advancing Earth and Space Sciences, propõe que, naquela época, já existia em torno da Terra o escudo invisível que, até hoje, funciona como uma barreira de proteção contra a perigosa radiação cósmica que vem do espaço.

Medindo a intensidade do campo magnético da Terra

Pesquisadora coletando rochas no Cinturão Supracrustal de Isua, na Groenlândia.Pesquisadora coletando rochas no Cinturão Supracrustal de Isua, na Groenlândia.Fonte:  Claire Nichols 

Para comprovar suas hipóteses, os pesquisadores tiveram que ir a até uma região conhecida como Cinturão Supracrustal de Isua, no sudoeste da Groenlândia. A região é formada por um cráton, região da crosta terrestre que, além de ter alguns dos exemplares mais antigos da camada externa da Terra, é geologicamente estável, com pouca atividade tectônica e erosão.

O foco da investigação foram partículas de ferro que funcionam como pequenos ímãs que registraram a direção do campo magnético desde que o processo de cristalização as fixou naquele local. As medições indicaram uma intensidade de 15 microteslas, resultado considerado pelos pesquisadores tão poderoso quanto os atuais 30 microteslas.

Rocha achada na GroenlândiaFormação ferrífera em faixas de 3,7 bilhões de anos encontrada no Cinturão Supracrustal de Isua, na Groenlândia.Fonte: Claire Nichols

Comparando a direção do campo magnético com a orientação de rochas deformadas por convulsões geológicas, os pesquisadores puderam determinar indiretamente a idade da magnetosfera.

Qual a importância da reavaliação do campo magnético da Terra?

O campo magnético da Terra nos protege da radiação solar.O campo magnético da Terra nos protege da radiação solar.Fonte:  Getty Images 

O campo magnético da Terra se mantém continuamente por um processo chamado geodinamismo, no qual o movimento do ferro fundido, na parte mais externa do núcleo terrestre, produz correntes elétricas. Chamada de convecção, essa movimentação de material fundido fluindo em alta velocidade reproduz um dínamo comum, cujo resultado é a formação dessa bolha que nos protege.

Leia também: O núcleo interno da Terra se desloca misteriosamente a cada 8,5 anos

O que os resultados do novo estudo mostraram é que o mecanismo que impulsionava o dínamo inicial da Terra era tão eficiente quanto o processo de solidificação do núcleo interno que se acredita ter contribuído para a intensificação da magnetosfera atual.

A compreensão da variação da intensidade do campo magnético terrestre durante todos esses anos é importante para estabelecer quando o núcleo sólido interno do planeta se formou. A informação é fundamental para avaliar a taxa de escape de calor do interior do planeta, um dado importante na compreensão do funcionamento das placas tectônicas.

Mantenha-se atualizado como os últimos estudos sobre a formação do nosso planeta aqui no TecMundo. Se desejar, aproveite para conferir como é, o mapa definitivo das placas tectônicas da Terra.



Source link