O presidente Biden interrompeu um envio de armas para Israel na semana passada para evitar que armas fabricadas nos EUA fossem usadas em um ataque há muito ameaçado à cidade de Rafah, disseram funcionários do governo na noite de terça-feira, um sinal da crescente discórdia entre Washington e Jerusalém sobre o condução da guerra.

O presidente reteve 1.800 bombas de 2.000 libras e 1.700 bombas de 500 libras que temia que pudessem ser lançadas sobre Rafah, onde mais de um milhão de habitantes de Gaza se refugiaram, disseram as autoridades. A administração está a avaliar se deve reter futuras transferências, incluindo kits de orientação que convertem as chamadas bombas burras em munições guiadas com precisão.

A decisão de atrasar a entrega das 3.500 bombas foi a primeira vez que Biden usou o seu poder de redução de armas como instrumento para influenciar a abordagem de Israel à guerra desde o ataque terrorista liderado pelo Hamas, em 7 de Outubro. Vários aliados democratas de Biden no Congresso vêm instando-o há semanas a limitar ou suspender os envios de armas para Israelalgo que ele se recusou a fazer até agora devido ao seu forte apoio à guerra contra o Hamas.

Autoridades israelenses divulgaram a pausa nas armas para Axios no início desta semana, mas as autoridades norte-americanas recusaram-se a confirmá-lo, quer em briefings, quer em privado, até terça-feira à noite. O facto de finalmente o terem feito foi uma indicação clara de quanta frustração está a crescer entre os funcionários da administração pelo facto de os seus homólogos israelitas não estarem a atender aos avisos dos EUA contra uma grande operação em Rafah que poderia levar a extensas baixas civis. A notícia da pausa nos braços veio poucas horas depois Israel enviou tanques para a cidade no sul de Gaza.

Uma autoridade dos EUA disse que o governo começou a analisar os carregamentos de armas no mês passado, quando ficou claro que Israel parecia estar tomando uma decisão sobre uma operação em Rafah. Biden inicialmente assumiu a posição de que Israel não deveria atacar Rafah sem um plano para minimizar efetivamente as baixas civis, mas nas últimas semanas a Casa Branca tem indicado cada vez mais que não acreditava que tal plano fosse sequer possível.

Israel não deixou claro se está prestes a iniciar o ataque a Rafah, mas tomou medidas nos últimos dias que pareciam sugerir que estava a avançar nessa direção. As forças israelenses ordenaram a evacuação de 110 mil civis de Rafah e organizaram ataques aéreos contra alvos nas áreas fronteiriças da cidade em resposta aos foguetes do Hamas que mataram quatro soldados israelenses no fim de semana.

Israel classificou a entrada de tanques em Rafah e a apreensão da passagem de fronteira da cidade com o Egito na terça-feira como uma operação limitada para eliminar os combatentes do Hamas e a infraestrutura ligada ao ataque com foguetes. As ações não pareciam ser a vanguarda do ataque maior que Israel prometeu. Mas a ordem de evacuação e os movimentos militares limitados pareciam destinados a manter pressão sobre o Hamas enquanto Negociadores reúnem-se no Cairo para discutir um possível acordo de cessar-fogo.

Biden não fez menção à sua decisão de reter as bombas durante um discurso na terça-feira em uma cerimônia em memória do Holocausto no Capitólio, mas repetiu o seu apoio a Israel. “Meu compromisso com a segurança do povo judeu, a segurança de Israel e seu direito de existir como um estado judeu independente é inflexível, mesmo quando discordamos”, disse ele.

A administração não está a suspender todas as armas para Israel nem, neste momento, a reter permanentemente as bombas em questão. Na verdade, as autoridades disseram que a administração tinha acabado de aprovar a última parcela de ajuda no valor de 827 milhões de dólares em armas e equipamento. O governo pretende enviar “cada dólar” do dinheiro que acaba de ser apropriado pelo Congresso, disseram as autoridades.

Mas disseram estar especialmente preocupados com os danos que poderiam ser causados ​​pelas bombas de 2.000 libras numa área urbana densa como Rafah, com tantos civis deslocados.