Durante meses, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel, evitou discussões públicas detalhadas sobre o futuro de Gaza no pós-guerra. Tentando apaziguar tanto os seus aliados de extrema direita, que procuram reconstruir os colonatos israelitas em Gaza, como os parceiros estrangeiros de Israel, que querem que Gaza seja devolvida à governação palestiniana, o Sr. parou brevemente de qualquer declaração específica.

Nos bastidores, no entanto, altos funcionários do seu gabinete têm ponderado um plano expansivo para Gaza do pós-guerra, no qual Israel se ofereceria para partilhar a supervisão do território com uma aliança de países árabes, incluindo o Egipto, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, bem como os Estados Unidos, de acordo com três autoridades israelenses e cinco pessoas que discutiram o plano com membros do governo israelense.

De acordo com essa proposta, Israel o faria em troca da normalização das relações entre ele e a Arábia Saudita, segundo as pessoas, que falaram sob condição de anonimato dada a delicadeza do assunto.

É quase certo que os membros da extrema-direita da coligação de Netanyahu rejeitarão tal ideia, e o mesmo acontece com os países árabes mencionados como possíveis participantes. Mas é o sinal mais claro de que responsáveis ​​ao mais alto nível do governo de Israel estão a pensar no futuro de Gaza no pós-guerra, apesar de dizerem pouco em público, e poderá ser um ponto de partida em futuras negociações.

A divulgação surge no contexto de intensos esforços internacionais para conseguir que Israel e o Hamas concordem com um cessar-fogo que poderia eventualmente tornar-se uma trégua permanente, e segue-se à crescente pressão sobre Israel para planear o que vem a seguir. A relutância de Israel em determinar como governar Gaza criou uma vácuo de poder em grande parte do territórioconduzindo à ilegalidade e agravando a terrível situação humanitária.

Autoridades e analistas árabes consideraram o plano de partilha de poder impraticável porque não cria um caminho explícito em direcção a um Estado palestiniano, que os governos dos Emirados e da Arábia Saudita afirmam ser um pré-requisito para o seu envolvimento no planeamento do pós-guerra. Mas outros acolheram cautelosamente a proposta porque ela pelo menos sugere maior flexibilidade entre os líderes israelitas do que sugerem as suas declarações públicas.

Segundo a proposta, a aliança árabe-israelense, trabalhando com os Estados Unidos, nomearia líderes de Gaza para reconstruir o território devastado, reformar o seu sistema educativo e manter a ordem. Depois de sete a 10 anos, a aliança permitiria que os habitantes de Gaza votassem sobre a possibilidade de serem absorvidos por uma administração palestiniana unida que governaria tanto Gaza como a Cisjordânia ocupada por Israel, de acordo com a proposta. Entretanto, sugere o plano, os militares israelitas poderiam continuar a operar dentro de Gaza.

A proposta não diz explicitamente se essa administração unida constituiria um Estado palestiniano soberano, ou se incluiria a Autoridade Palestiniana, que administra partes da Cisjordânia. Publicamente, o Primeiro-Ministro Netanyahu rejeitou a ideia da plena soberania palestiniana e praticamente descartou o envolvimento da Autoridade Palestiniana.

O gabinete do primeiro-ministro israelense não quis comentar.

A proposta carece de detalhes e não foi formalmente adotada pelo governo israelense, que apresentou publicamente apenas uma visão mais vaga sob o qual Israel manteria maior controle sobre Gaza do pós-guerra.

Autoridades e analistas dos Emirados e da Arábia Saudita disseram que a nova proposta não garantiria o envolvimento de estados árabes como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, especialmente porque não conseguiu garantir a soberania palestina e permitiria a continuação das operações militares israelenses dentro de Gaza. O governo saudita disse que não normalizará os laços com Israel a menos que os líderes israelenses tomar medidas irrevogáveis rumo à criação de um Estado palestino.

“Os detalhes precisam ser apresentados de forma mais explícita, de uma forma que seja ‘irreversível’”, disse Ali Shihabi, um comentarista saudita considerado próximo da corte real saudita. “O problema é que os israelitas têm o hábito de se esconder atrás de termos ambíguos, por isso penso que o governo saudita estaria à procura de tal clareza.”

Ainda assim, a proposta é o plano mais detalhado para Gaza do pós-guerra que as autoridades israelitas discutiram, e partes dela alinham-se com ideias articuladas pelos líderes árabes, tanto no público e em privado.

Thomas R. Nides, antigo embaixador dos EUA em Israel que foi consultado sobre o plano, disse que a proposta era significativa porque revelava o pensamento interno israelita.

“Isso mostra que, apesar da postura pública do governo israelense, nos bastidores as autoridades israelenses estão pensando seriamente sobre como seria uma Gaza do pós-guerra”, disse Nides. “Obviamente que o diabo está nos detalhes, o que pode não ser suficiente para persuadir parceiros árabes como os EAU a envolverem-se no plano. E nada pode acontecer até que os reféns sejam libertados e um cessar-fogo seja iniciado.”

A divulgação do plano ocorre em meio esforços renovados para selar uma trégua entre Israel e o Hamas.

Um grupo de empresários, a maioria deles israelitas, alguns dos quais próximos de Netanyahu, elaborou o plano em Novembro. Foi proposto formalmente pela primeira vez às autoridades israelenses no gabinete de Netanyahu em dezembro, de acordo com um dos funcionários do governo.

Dois dos funcionários disseram que o plano ainda estava sob consideração nos mais altos níveis do governo de Israel, embora não possa ser implementado até que o Hamas seja derrotado e os restantes reféns em Gaza sejam libertados.

O Hamas continua a controlar totalmente partes do sul de Gaza, apesar da devastadora campanha militar israelita que matou mais de 34 mil pessoas, segundo responsáveis ​​locais; trouxe partes do território à beira da fome; e deixou grande parte de Gaza em ruínas.

Os empresários, que pediram anonimato para não comprometer a sua capacidade de promover a ideia, afirmaram ter informado responsáveis ​​de vários governos árabes e ocidentais, incluindo Estados Unidos, Egipto, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, sobre o plano. .

Também foi mostrado a Tony Blair, o antigo primeiro-ministro britânico que dirige um instituto que aconselha o governo saudita em projectos de modernização. Um empresário palestiniano, que pediu para não ser identificado para proteger os seus familiares de represálias em Gaza, também esteve envolvido na promoção da ideia junto das autoridades americanas.

Questionado sobre o plano, o Ministério das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos disse em comunicado que o governo dos Emirados “não participará de nenhum esforço de reconstrução em Gaza até que exista um acordo sobre um roteiro para uma solução política para o conflito, que inclua uma abordagem transparente e oportuna e vinculativo para todas as partes e que leva ao estabelecimento da solução de dois Estados, com um Estado palestino independente.”

Um responsável saudita, falando sob condição de anonimato para se conformar com o protocolo do governo, rejeitou a proposta porque não criava um “caminho credível e irreversível” para a criação de um Estado palestiniano nem assegurava o envolvimento da Autoridade Palestiniana. O responsável também negou que as autoridades sauditas já tivessem tido conhecimento do plano.

Um porta-voz do governo egípcio não quis comentar.

O objectivo dos empresários é ganhar o apoio internacional para a ideia, a fim de persuadir o Sr. Netanyahu de que valeria a pena embarcar na difícil tarefa de ganhar o apoio interno para a mesma.

O governo de coligação de Netanyahu poderia entrar em colapso se ele apoiasse formalmente um plano que não excluísse conclusivamente a criação de um Estado palestiniano. Os membros da extrema-direita da sua coligação opõem-se fortemente à soberania palestiniana e querem restabelecer os colonatos israelitas em Gaza. Ameaçaram derrubar o governo se Netanyahu terminar a guerra em Gaza sem expulsar o Hamas.

As sondagens mostram que a maioria dos israelitas também se opõe à criação de um Estado palestiniano, que muitos dizem que recompensaria o Hamas por liderar os ataques terroristas que mataram cerca de 1.200 pessoas em 7 de Outubro, durante o ataque transfronteiriço a Israel que deu início à guerra.

Temendo o colapso do seu governo e a perda de apoio numa campanha eleitoral subsequente, Netanyahu tem manifestado repetidamente a sua oposição a um Estado palestiniano nos últimos meses, comprometendo-se a manter o controlo israelita sobre a Cisjordânia e Gaza.

Mas os analistas e alguns dos seus aliados acreditam que ele estaria preparado para deixar aberta a possibilidade hipotética da soberania palestiniana se isso lhe permitisse selar um acordo de normalização histórico com a Arábia Saudita.

Forjar laços diplomáticos com o Estado árabe mais influente permitiria a Netanyahu restaurar parte do seu legado político, que foi manchado porque o ataque liderado pelo Hamas a Israel, o ataque mais mortífero na história de Israel, ocorreu sob a sua supervisão.

“Ele quer este legado”, disse Nadav Shtrauchler, analista político israelense e ex-estrategista do primeiro-ministro.

“Por outro lado, ele não acredita na solução de dois Estados. Segundo, ele não pode apresentar isso ao seu público”, acrescentou Shtrauchler.

Adam Rasgon contribuiu com reportagens de Jerusalém, e Julian E. Barnes de Washington.