O Hamas informou aos negociadores na segunda-feira que nem todos os 33 reféns que seriam libertados na primeira fase de um possível acordo de cessar-fogo com Israel ainda estão vivos e que os restos mortais daqueles que morreram estariam entre as libertações iniciais, de acordo com duas pessoas familiarizadas com as negociações.

A divulgação surgiu como parte da contra-oferta do Hamas à última proposta de Israel, que prevê um cessar-fogo de seis semanas na primeira fase, em troca do retorno de alguns dos reféns feitos durante os ataques terroristas de 7 de Outubro. Não ficou claro se o Hamas revelou quantos dos 33 ainda estão vivos e quantos estão mortos.

O primeiro grupo de reféns que deverá ser libertado na fase inicial do acordo proposto deverá incluir mulheres, homens idosos e doentes e feridos que estão entre os mais de 100 que se acredita ainda estarem mantidos em cativeiro. Os israelitas inicialmente queriam que 40 pessoas fossem libertadas na primeira fase, mas compreenderam que o Hamas não detinha tantos que se enquadrassem nos critérios. As autoridades israelenses e americanas há muito que presumem que alguns dos reféns podem estar mortos.

A notícia de que o primeiro grupo de reféns a ser libertado incluiria os restos mortais de alguns levados há sete meses irá certamente perturbar as famílias que têm pressionado o governo israelita a fazer mais para libertar os seus entes queridos. O destino dos reféns tornou-se uma questão importante para o público israelita, à medida que milhares de manifestantes saíram às ruas para pressionar o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu a chegar a um acordo. Os manifestantes bloquearam as principais estradas em Jerusalém e Tel Aviv na noite de segunda-feira, após a contraoferta do Hamas.

Autoridades israelenses disseram que a contraoferta do Hamas não era aceitável, mas concordaram em continuar as negociações. Autoridades de vários países que servem como intermediários reunir-se-ão novamente no Cairo esta semana para analisar a contraproposta e ver se é possível fazer mais progressos. Israel concordou em enviar uma delegação para rever a proposta e contemplar novas concessões.