Census
My Partner
sensus
Lytron
Sebrae

União Europeia fecha acordo para reduzir consumo de gás em 15%

DEPENDENTES DO GÁS RUSSO, PAÍSES EUROPEUS TEMEM O DESABASTECIMENTO GENERALIZADO QUANDO O CONSUMO AUMENTAR NO INVERNO

A União Europeia (UE) chegou a um acordo político no dia 26 de julho, e estabeleceu como meta não obrigató­ria, por ora, reduzir o consumo de gás em 15% até o início do inverno. Não houve votação formal na reunião ex­traordinária do Conselho, em Bruxelas: trata-se de um compromisso político, um esforço conjunto em prol do bem comum e que incluirá exceções para abranger a “situação geográfica ou física” dos países. De acordo com as agências internacionais, apenas um dos 27 Estados membros — a Hungria — teria se manifestado contra a pro­posta de redução do consumo.

A Europa teme um possível desabas­tecimento e uma crise generalizada. No dia 25 de julho, a estatal russa de gás Gazprom informou que cortaria os fluxos através do gasoduto Nord Stream 1 para a Alemanha para 20% da capacidade.

Em comunicado, o Conselho da UE declarou que se trata de um “esforço para aumentar a segurança do abas­tecimento de energia” e que o acordo se refere a uma “redução voluntária da demanda de gás natural em 15% neste inverno”. O objetivo é economi­zar agora, a fim de se preparar para possíveis interrupções no fornecimento de gás pela Rússia mais à frente, du­rante a estação mais fria, já que o país tem usado continuamente o forneci­mento de gás como instrumento de chantagem.

“A decisão mostrou claramente que os Estados membros se manterão firmes contra qualquer tentativa russa de dividir a UE usando o fornecimento de energia como arma”, disse Jozef Síkela, ministro tcheco da Indústria e Comér­cio.

Sobre as exceções que consideram as peculiaridades de cada país, a nota informa que “o Conselho especificou algumas isenções e possibilidades de solicitar uma derrogação da meta de redução obrigatória” e que Estados que não estejam interligados às redes de gás estão isentos de reduções obrigatórias, “pois não seriam capazes de liberar volumes significativos de gás de gasoduto em benefício de outros Estados membros”.

Também serão isentos os membros cujas redes elétricas não estejam sincronizadas com o sistema elétrico europeu e dependem fortemente do gás para a produção de eletricidade, “a fim de evitar o risco de uma crise de abastecimento de eletricidade”.

O comunicado explica que se trata de uma medida excepcional e extraor­dinária, prevista por tempo limitado — um ano — e que haverá revisão do regulamento no decorrer do tempo.

Share

Related posts