My Partner
Sebrae
Census
Lytron

A volta do Old Money

Texto de LAINE FURTADO

@LAINEFURTADO

Old Money, em inglês, significa ‘dinheiro velho’, literalmente e é um termo utilizado para designar fortunas derivadas de herança, portanto um dinheiro herdado e acumulado ao longo de gerações, e, por isso, velho. Imageticamente falando, é a estética de herdeiros, nascidos ricos e cheios de capital acumulado. O dinheiro antigo refere-se à riqueza herdada, que existe há várias gerações. O termo tem significados ligeiramente diferentes nos mundos “Novo” e “Velho”, ou seja, nos EUA e no Reino Unido.

O oposto de dinheiro velho é nouveau riche, dinheiro novo, ou parvenus. Na Inglaterra, quando as pessoas falam de dinheiro velho, elas se referem a membros da aristocracia. Duques, Condes, Marquês, Viscondes e Barões, por exemplo, são títulos aristocráticos.
Podemos citar como exemplos a família da Rainha Elizabeth II e famílias como a Cadogan e a do Duque de Westminster, entre outras. A aristocracia tem sido parte da nobreza desembarcada por centenas de anos.

Na Grã-Bretanha, o dinheiro velho tende a referir-se apenas à nobreza desembarcada, ou seja, aristocratas e membros da nobreza. Essas famílias tradicionalmente vivem fora da terra. Eles também herdaram sua riqueza.

A família Rothschild criou casas financeiras em toda a Europa no século XVIII. A família foi enobrecida pela Rainha Vitória e pelo Imperador Habsburgo. Nos últimos dois séculos, a família, até certo ponto, manteve sua riqueza.

“Dinheiro velho” se aplica aos da classe alta cuja riqueza os separa das classes sociais mais baixas. De acordo com o antropólogo W. Lloyd Warner, a classe alta nos Estados Unidos durante a década de 1930 foi dividida nas classes superior e inferior. Os mais baixos eram aqueles que não vinham de famílias tradicionalmente ricas. O dinheiro antigo, nos Estados Unidos, refere-se às famílias ricas que existem há várias gerações. No entanto, eles não são aristocratas.

Em ambos os países, o termo old money descreve pessoas ricas cujas famílias mantiveram sua riqueza ao longo de várias gerações. De acordo com o Dicionário Macmillan, dinheiro velho refere-se a: “Famílias ricas que são ricas há várias gerações, especialmente famílias que também têm um alto status social.”

O dinheiro velho também pode se referir a locais e não a famílias individuais. Nos Estados Unidos, por exemplo, as pessoas associam o Upper East Side de Manhattan com dinheiro velho. Boston’s Back Bay e Beacon Hill, e a área de Grosse Pointe do subúrbio de Detroit têm a mesma reputação.

THE ROYAL FAMILY: A FAMILIA REAL E GRANDE PARTE DA SUA DESCENDÊNCIA FAZEM PARTE DA ARISTOCRACIA E REALEZA BRITÂNICA. UM DOS MELHORES EXEMPLOS DE OLD MONEY NA INGLATERRA. FOTO: ARQUIVOS BUCKINGHAM PALACE

Nos Estados Unidos, ‘dinheiro velho’ hoje era ‘dinheiro novo’ ontem. Ironicamente, as famílias de dinheiro antigo nos Estados Unidos hoje são descendentes de pessoas que foram descritas como “riqueza nouveau” – banqueiros, construtores e industriais do século XIX. Essas pessoas começaram a criar sua riqueza de uma nova forma, ou seja, não como proprietários tradicionais (da Era Dourada).

Como exemplos de old money nos Estados Unidos temos os Vanderbilts, Gettys, Rothschilds e Lauren que são sinônimos de extrema riqueza, e essas lendárias famílias de dinheiro velho ainda são tão ricas e poderosas em 2021.

O socioantropólogo William Lloyd Warner (1898-1970) disse na década de 1930 que havia dois tipos de classes altas americanas:
1. A classe alta-alta – eles tinham sido ricos por várias gerações. As pessoas até as viam como quase aristocráticas.

2. A classe baixa-alta – eles não vieram de famílias tradicionalmente ricas. Eles acumularam seu dinheiro de empresas e investimentos em vez de herança.

O INCONFUDÍVEL ESTILO OLD MONEY: ROUPAS DE ALFAIATARIA, CLÁSSSICAS, ATEMPORAIS E LOW PROFILE MAS DEFININDO UM ESTILO ÚNICO: DOS RICOS DE BERÇO.

A classe alta já teve mais prestígio do que a classe baixa-alta. No entanto, este não é o caso hoje, onde vários fatores envolvem a fama, o poder e o dinheiro. Os americanos associam esses sobrenomes com dinheiro velho: Roosevelt, Cabots, Lowell, Du Pont, Astor, Rockefeller, Griswold e Forbes.

A ESTÉTICA DO OLD MONEY

A estética old money está relacionada a um estilo casual em específico de se vestir e vem fazendo a cabeça dos jovens nas redes sociais. É justamente desse resumo que vem o nome: old money – que significa “dinheiro velho” , e que faz referência a pessoas que tem um berço aristocrático, onde a família tem dinheiro e bens que passam de geração a geração.

Por isso, essa estética traz para si uma ideia de pessoas que cresceram ricas e não precisam de muito esforço para demonstrar elegância. Nos Estados Unidos, Old Money está associado à cultura WASP (protestante anglo-saxão branco), e na Europa, Old Money está associado a títulos de nobreza.

THE ROCKEFELLER FAMILY: JOHN D. ROCKEFELLER (1839-1937) COM SUA FAMÍLIA. ELE NASCEU EM “UPSTATE” NEW YORK.
ERA DESCENDENTE DE JOHANN PETER ROCKEFELLER, QUE CHEGOU À AMÉRICA, VINDO DA ALEMANHA, EM 1723.

Como é o estilo característico do famoso Old Money? Podemos dizer que é o low profile, mas totalmente chic: alfaiataria, roupas bem cortadas, clássicos, joias de família, conjuntinho de tweed. Elementos clássicos, com aspecto vintage e atemporal. É um estilo preppy, mas mais carregado para maduro.

Como diz o ditado “O dinheiro fala, mas a riqueza sussurra”, e quando se trata de se vestir como o dinheiro antigo, é tudo uma questão de sutileza. A chave desse estilo é a elegância. As roupas podem parecer simples ou sem graça, mas são de alta qualidade. Os old money se vestem com cores de baixa saturação, como preto, bege, cáqui, branco, verde militar, sempre caminhando para os tons neutros.

A estética do old money também pode ser aplicada à decoração: mansões ou casas de campo com lustres e quadros renascentistas servem de pano de fundo para looks que costumávamos chamar de preppy.

Derivado do termo Preparative School, o preppy é o estilo tipicamente usado em colégios particulares internos norteamericanos e britânicos, composto por coletes, suéteres, saias rodadas e peças em xadrez, muito frequentados justamente por herdeiros e usado pelos jovens de Gossip Girl, por exemplo.

O QUE EXPLICA O RETORNO DA ESTÉTICA DO OLD MONEY

Recentemente, a estética do Old Money tem tomado conta das redes sociais, principalmente do TikTok, com mais de 320,9 milhões de visualizações sob a hashtag #oldmoney, e 90 milhões de visualizações com #oldmoneyaesthetic e mais milhões com #tags de outras variações da tendência.

THE LAUREN FAMILY: RALPH LAUREN, SUA ESPOSA RICKY, FILHOS E NETOS, FOTO: PAMELA HANSON

Uma matéria publicada no site do UOL em novembro de 2021 explica a volta do old money: “De alguma forma, é quase como um grito conservador de uma moda e estética tradicionalmente “elegantes”. O fato é que culturalmente existe uma espécie de obsessão com a riqueza e o lifestyle dos ricos, e isso não é nenhuma novidade.”

E o texto ressalta: “Mas surpreende que esse retorno esteja sendo feito pelas novas gerações no TikTok. Isto é, à medida que as discussões sobre acúmulo de capital, desigualdade social agravada pela pandemia e a taxação de grandes fortunas ao redor do mundo se aquecem, valorizar o Old Money parece, no mínimo, fora do tom. Não obstante, vale dizer que as figuras que protagonizam os movimentos estéticos do Old Money são, majoritariamente, brancas. Afinal, é esse grupo social e racial o maior detentor das maiores fortunas há anos, décadas, séculos”.

O artigo questiona o que está por traz do retorno do Old Money: “Por outro lado, de alguma forma, a tendência do Old Money pode servir como uma espécie de escapismo, o sonho de uma segurança financeira que parece cada vez mais distante para os jovens ou ainda, uma recusa às tendências fugazes e exageradas que dominam as redes sociais hoje. No entanto, esses jovens criadores parecem falhar em perceber que parte da raiz desses problemas está justamente na acumulação de capital e vão justamente às mesmas redes sociais que produzem essas tendências fugazes para postarem seus looks Old Money”.

A estética do old money foi resgatado com o surgimento de séries que mostram um estilo de vida mais antigo como Bridgerton, Succession e o próprio remake de Gossip Girl. Outra referência muito exaltada pelos adeptos do old money é a cantora Lana Del Rey, sobretudo em seu primeiro álbum “Born to Die”. Até Kendal Jenner está mudando seu estilo, usando roupas mais low profile, clássicas e, claro, de excelente qualidade e de griffe. Seus looks estãona vibe sem ostentação, mas discretamente grifados.

Share

Related posts