Lytron
My Partner

O discurso de Joe Biden na 76ª Assembleia Geral da ONU

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, discursou pela primeira vez na Assembleia Geral da ONU, em Nova York, na abertura dos debates dos chefes de Estado nesta terça-feira (21).

Ele abriu seu discurso reconhecendo as enormes perdas em todo o mundo causadas pela pandemia de Covid 19. Durante o seu discurso, Biden também afirmou que a pandemia colocou o mundo em um “ponto de inflexão”. De acordo com ele, as ações tomadas pelos países agora terão repercussão por toda a história da humanidade e falou sobre a importância da união dos países para combater futuras crises sanitárias ao redor do mundo.

Sobre a saída do Afeganistão: “Acabamos com 20 anos de conflito no Afeganistão e, à medida que fechamos este período de guerra implacável, estamos abrindo uma nova era de diplomacia implacável, de usar o poder de nossa ajuda para o desenvolvimento, para investir em novas maneiras de elevar as pessoas em todo o mundo, de renovar e defender a democracia”

Ele disse que os países devem moderar no uso do poderio militar. O democrata destacou os EUA não estão buscando uma “nova Guerra Fria” e que o mundo não pode ser dividido em blocos.

Biden enfatizou o apoio a organizações como a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a União Europeia (UE) e a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), uma clara mudança de tom em relação ao isolacionismo do país nos quatro anos de governo de seu antecessor, Donald Trump.

Joe Biden disse que  os Estados Unidos vão investir US$ 100 bi contra mudanças climáticas e US$ 10 bi contra fome e que num mundo como o nosso, os governos precisam investir nestas duas áreas.

Biden disse que o mundo está enfrentando uma década decisiva, e que abordar uma variedade de desafios “dependerá de nossa capacidade de reconhecer nossa humanidade comum”. Ele também disse que, “ao invés de continuar a travar as guerras do passado, estamos fixando nossos olhos” em desafios como a pandemia global, combater a mudança climática e ameaças cibernéticas e administrar a mudança da “dinâmica de poder global”.

Share

Related posts