My Partner
Census
Lytron
sensus
Sebrae

A auto estima que nos faz bem

De Laine Furtado

@Lainefurtado

Muitas pessoas se perguntam se há alguma maneira de melhorar sua autoestima. Obviamente não há porção mágica, mas devemos estar cientes de que cada pessoa pode melhorar sua auto estima com base na constância e seguindo alguns conselhos baseados em evidências científicas. Temos que ser realistas com nossas virtudes e falhas. Não somos perfeitos, mas a intenção não é ser perfeito, não é verdade? O objetivo é ser feliz. Então, para isso, devemos aceitar as coisas que não fazemos tão bem e aprender com isso. E, claro, não para minimizar a importância das coisas que sabemos fazer bem, mas para valorizá-las como merecem.

Precisamos nos amar primeiro para poder amar outras pessoas e o primeiro passo é termos pensamentos que edificam e nos fazem melhores. Por isso, mude seus pensamentos e suas falas. Precisamos praticar todos os dias. Mudar o “Eu não posso” para “Eu vou tentar”, “Eu vou ter sucesso” “Eu vou fazer bem” “Deus no controle”. Parece um clichê, mas forçar um pouco a olhar para as coisas boas da vida pode nos ajudar a sair da dinâmica negativa. Se percebermos que temos muitas coisas para valorizar, é mais fácil para nós sairmos do ciclo negativo.

Importante estabelecermos metas relativamente fáceis de alcançar. Pouco a pouco podemos aumentá-las, e veremos que passo a passo estaremos alcançando o que nos propusemos a fazer. Se falharmos, vamos aprender com isso sem nos culpar por nossos erros, porque falhar é uma maneira de saber como fazer de forma diferente da próxima vez. Ouse enfrentar desafios.

Cada pessoa é um mundo e você tem o seu mundo também. Concentre-se em si mesmo. Em sua vida. Desejar e idealizar a vida de outras pessoas não é saudável e nos faz infelizes. Todos temos algo bom para contribuir, e cabe a nós encontrar o caminho certo. Que tudo o que você diz a si mesmo sirva para melhorar, não para estagnar e trazer culpa. Além disso, aprenda a encaixar críticas construtivas e não se deixe afetar por críticas destruitivas.

Tem pessoas que vivem arrastando mochilas cheias de peso: trabalhos que não as satisfazem, relacionamentos que não contribuem com nada, hábitos que não gostam… Para superar todos esses fardos, você precisa assumir algum controle sobre a situação, pensar positivamente e tentar mudá-los. Que a nossa mochila seja leve, e que possamos carregar somente o essencial.

Share

Related posts