Lytron
My Partner

O mercado de trabalho durante a pandemia

De Eduardo Prugner
@eduardoprugner

Repetir, novamente, que o mundo mu­dou está se tornando um vício, mas na verdade, é que sentimos isso na pele a cada dia. Uma das consequências mais graves, em todos os países, causada pelo vírus Covid, foi o desemprego motivado pela paralisação da economia.

O uso das máscaras auxiliou o retorno de algumas atividades e, também proporcionou o surgimento de novas opções de trabalho, alguns até então pouco conhecidas,como “home office” e acabou sendo utilizado por diversos países, inclusive o Brasil.

O “home office” parecia uma solução temporária, prevista para um futuro mais distante, no entanto salvou muitas empresas e seus auxiliares, e sua tendência é permanecer.

A vacinação trouxe um novo alento e o cenário começou a mudar, até mesmo o uso de máscaras, na Flórida, ficou “démodé” ou “mixed-used”.

No Brasil, aguardam que a vacinação atinja um número maior da população para que tudo volte à sua normalidade. No entanto, os resultados da economia estão surpreendendo positivamente.

Todavia, enganam-se aqueles que imaginaram que o mercado de trabalho voltaria a ser como era antes.

UM MERCADO DE TRABALHO DIFERENTE

Durante o período crítico da pandemia, empresas foram obrigadas a manter um distanciamento en­tre seus funcionários e seus consumidores. Outras tiveram que fechar suas portas porque lhes faltou criatividade para vencer o desafio.

A pandemia afetou as características dos empre­gos, tanto para o lado dos empregadores como da­queles que estão buscando ou estão num empre­go. Essas mudanças ocorreram em muito, pelas alterações havidas nas atividades tradicionais.

Alguns aspectos mereceram uma análise mais profunda, principalmente nas organizações que reduziram o seu quadro funcional. As dispensas foram iniciadas por aqueles “que não vestiam a camisa”, na sequência pelaqualificação. A criati­vidade também pesou muito na hora de escolher entre um ou outro empregado, mesmo àqueles que ocupavam cargos gerenciais.

O cenário está voltando à normalidade, contudo o emprego não. As pequenas empresas, em torno de 50%, não preencheram suas vagas segun­do pesquisa da USA Today. As empresas estão precisando de funcionários e há dificuldades de preencher as vagas, o que estaria ocorrendo?

AS NOVAS EXIGÊNCIAS DO MERCADO

As contratantes estão exigindo habilidades funcionais que antes não eram importantes, como por exemplo, saber lidar com o estresse. Essa ca­racterística comportamental, surgiu na pandemia, em que os empregados perderam suas habilida­des e produtividade.

Um outro componente desafiador é a capacidade de adaptabilidade, porque como o “modus ope­randi” das companhias tiveram que adaptar-se as novas exigências do mercado. Tanto os serviços como os produtos mudaram, portanto, coube aos funcionários uma adaptação.

Da mesma forma a flexibilidade, onde as ativida­des serão executadas de forma presencial e em home office. As empresas estão preferindo esta combinação em que o trabalho possa ser exercido remotamente, mas periodicamente presencial, para que não haja um distanciamento funcional.

Em algumas atividades específicas, como os “offi­ce games”, estão preferindo trabalhar em casa, pois acreditam se sentirem mais criativos.

Não há necessidade de salientar que a qualifica­ção é fundamental, além do conhecimento básico do marketing digital – operacionalização da internet.

Se o seu emprego for do tipo “home office” ob­serve o ponto fundamental necessários para que tenha êxito: a comunicação, focada no gerencia­mento das tarefas e resultados, evitando sempre conversas paralelas. As empresas também têm o cuidado de que seu funcionário não fique “longe” da missão da organização e mantenha um exce­lente desempenho nos resultados. Compete ao empregado também a gerenciar suas atividades, cuidando do seu local de trabalho – espaço em sua casa destinada a isso – horário, alimentação e relacionamento com a família. Além de estar sempre sabendo o que acontece no dia a dia do empregador.

Portanto, ter em mente que as habilidades técni­cas e especializadas devem ser acompanhadas de habilidades comportamentais.

PROFISSÕES EM MODA NA ATUALIDADE

Alguns exemplos de empregos mais ofertados no mercado:

– Todos os serviços na área da saúde: médicos, en­fermeiras, farmacêuticos, técnicos em laboratório;

– Área de tecnologia e marketing digital;

– E-commerce;

– Profissional em finanças;

– Atividade que possem ser aplicadas o “Home Office”híbrido;

– Novas atividades que estão surgindo. Já ima­ginaram um motorista de UBER aéreo? E de um operador de impressora 3D?

E ao buscar um novo emprego ou se transferir para uma nova atividade, elimine a ansiedade, tenha muita calma e acima de tudo confie em você e sinta a presença de Deus.

Share

Related posts