Lytron
My Partner

Louis Vuitton

Texto de Laine Furtado
@lainefurtado

BERNARD ARNAULT, O MAGNATA DA MODA FRANCESA, É UM DOS HOMENS MAIS RICOS DO MUNDO SEGUNDO A FORBES. MAS TUDO COMEÇOU EM 1987, QUANDO ACONTECEU A FUSÃO DA LOUIS VUITTON COM A MOËT ET CHANDON E HENNESSY, CRIANDO ASSIM O MAIOR CONGLOMERADO DE LUXO DO MUNDO, O LVMH – LOUIS VUITTON MOËT HENNESSY- , QUE TAMBÉM É DONO DA FENDI, CHRISTIAN DIOR E GIVENCHY, ENTRE OUTRAS MARCAS.

BERNARD ARNAULT, CEO DA LVMH. LOUIS VUITTON, FUNDADOR DA MARCA QUE HOJE É CONSIDERADA UM DOS BRANDS DE LUXO MAIS PODEROROS NO MUNDO DA MODA E A PRINCIPAL EMPRESA DO GRUPO LVMH.

O magnata francês Bernard Arnault é uma das pessoas mais ricas do mundo segundo a revista Forbes. No dia 20 de maio ele estava em primeiro lugar na lista de bilionários em tempo real da Forbes, com um patri­mônio líquido estimado em US$ 186,3 bilhões — acima US$ 300 milhões de Jeff Bezos, que vale US$ 186 bilhões, e Elon Musk, no valor de US$ 147,3 bilhões. Jeff Bezos voltou ao número um no rastrea­dor bilionário da Forbes em tempo real na segunda-feira, dia 24 de maio. E de lá para cá a disputa tem sido acirrada, mas podemos informar que Arnauld está entre os 3 homens mais ricos do mundo, segundo a lista de bilionários da Forbes.

1

Picture 1 of 11

A LVMH (Louis Vuitton Moët Hennes­sy), que é a holding que controla Louis Vuitton, Fendi, Christian Dior e Givenchy, entre outras marcas, ganhou dinheiro na pandemia e, segundo a Forbes, a LVMH e Arnault representam a notável ascensão das casas de luxo e moda da Europa du­rante o confinamento. Pressionada pelo “impulso” dos compradores na China, de acordo com o analista da Jefferies Flavio Cereda, a LVMH registrou receita de US$ 17 bilhões no primeiro trimestre de 2021, um aumento de 32% em relação ao mesmo período de 2020. Mas a história começou com Louis Vuitton, em 1837.

 

LOUIS VUITTON, UM HOMEM DE VISÃO

Quando tinha apenas 16 anos, Louis Vuitton tomou uma decisão que não só mudaria sua própria vida, mas a vida de seus filhos e gerações futuras: ele se tornaria um mestre em fazer malas de viagem. A herança da Louis Vuitton como fabricante de malas de viagem precedeu até mesmo a fundação da empresa.

Foi em 1837 que um Louis Vuitton de 16 anos chegou a Paris a pé e começou a trabalhar para Monsieur Maréchal. Na época, vagões, barcos e trens puxados por cavalos eram os principais meios de transporte, e a bagagem era transportada nesses tipos de veículos. E eram contratados viajantes artesãos para embalar seus objetos individuais.

Louis Vuitton rapidamente se tornou um artesão valioso no ateliê parisiense de Monsieur Maréchal. Estas foram as raízes de seu comércio altamente especializado; o início de sua carreira em uma indústria artesanal que exigia habilidades para personalizar baús de design e, posteriormente, malas de viagem, de acordo com os desejos dos clientes. Louis Vuitton trabalhou por 17 anos antes de abrir sua própria loja na Rua Neuve-des-Capucines, perto da Place Vendôme.

A HISTÓRIA DA LOUIS VUITTON

1854: O mestre fabricante de malas Louis Vuitton Malletier fundou a Louis Vuitton na Rue Neuve des Capucines em Paris, França. Ele se especializou no artesanato de caixas rígidas e baús de madeira revestidos de lona. E conquistou uma clientela classe A.

OS MODELOS MAIS ICÔNICOS DA LOUIS VUITTON

1858: Louis Vuitton percebeu que a bagagem de formato redondo ocupava muito espaço durante o transporte e começou a encontrar uma solução para isso. Ele projetou e fabricou uma variedade de malas que eram planas e não redondas. Esse novo design podia ser empilhado e, portanto, ocupava menos espaço quando os clientes estavam viajando. Durante este período, as carruagens, trens e barcos eram o principal meio de transporte, então a bagagem projetada pela Vuitton decolou. Os artesãos então começaram a imitar o novo estilo de bagagem exclusivo da Vuitton.

1872: Foi introduzido um baú em tela listrada bege e vermelha, batizado de padrão de tela trianon. Infelizmente, este design provou ser facilmente copiado pelos concorrentes.

1876: Para tornar mais difícil para os falsificadores, a tela trianon foi atualizada para uma cor bege e marrom e denominada Tela Rayée.

1888: Louis Vuitton passou a criar e registrar o padrão Damier Canvas para sua gama de malas e baús. 100 anos depois de seu lançamento, o padrão Damier Canvas foi reintroduzido como o Damier Ebène.

1892: Quando Louis Vuitton morreu, seu filho Georges Vuitton assumiu a empresa, com sua visão de fazer da Louis Vuitton uma marca global maior.

1896: Para deter os falsificadores, Georges Vuitton criou o icônico LV Monogram Canvas. Normalmente em uma cor marrom com as iniciais de Louis Vuitton, diamantes, círculos e flores impressos em tela revestida.

1930: Louis Vuitton lançou o Keepall, também conhecido como Tient-Tout (Hold-All).

1930: Uma versão mais portátil do Keepall, o estilo Speedy menor foi lançado, como uma reação ao ritmo acelerado de viagem. Chamado inicialmente de Express e depois renomeado de Speedy, ele foi disponibilizado em três tamanhos: 30, 35 e 40. Foi a própria atriz Audrey Hepburn que solicitou uma versão ainda menor, intitulada Speedy 25. Este é definitivamente um momento chave na história da Louis Vuitton.

1932: A bolsa Noé foi criada como uma forma estilosa de transportar champanhe, então os piqueniques em todo o mundo agora têm muito mais efervescência, graças à Louis Vuitton. O estilo de balde Noé original foi projetado para transportar 4 garrafas em pé e com uma 5ª de cabeça para baixo no meio.

1985: Louis Vuitton lançou sua primeira linha de couro em 1985, quando Epi Leather foi criada e se tornou sua primeira coleção permanente de bolsas de couro.

1987: Este é o ano que viu a fusão da Louis Vuitton com a Moët et Chandon e Hennessy, criando assim o maior conglomerado de luxo do mundo – LVMH.

1997: Na história da Louis Vuitton até agora, a marca se concentrou em suas ofertas de acessórios. Tudo isso mudou em 1997, quando a Louis Vuitton lançou sua incursão na moda feminina com sua primeira linha de pronto-a-vestir, planejada pelo recém-nomeado diretor criativo Marc Jacobs. Jacobs permaneceu como diretor criativo na LV até 2013. Seu trabalho deu à maison um boost fashionista.

2001: Jacobs foi o pioneiro em colaborações de artistas com marcas de luxo, trabalhando com Stephen Sprouse, que criou a infame impressão de graffiti Louis Vuitton que adornava seus monogramas e bolsas de bagagem. Um movimento que indiscutivelmente viu a arte assumir a forma de peças vestíveis. Louis Vuitton deu continuidade a essa tendência, trabalhando com artistas como Takashi Murakami e Yayoi Kusama em coleções de bolsas de mão de edição limitada.

2007: Louis Vuitton criou a bolsa Neverfull, como uma bolsa maior, capaz de transportar todos os itens essenciais de uma mulher moderna. O Neverfull normalmente vem em telas revestidas Monogram, Damier Azur e Damier Ebène. Este estilo se tornou um dos estilos de maior sucesso da Louis Vuitton, marcando um ponto chave na história da Louis Vuitton.

2013: Nicolas Ghesquièire sucedeu Marc Jacobs como o novo diretor criativo da Louis Vuitton, apresentando um conceito de modernidade e uma presença vanguardista para a marca, com coleções especiais como a dos Masters com o artista Jeff Koons , o lançamento de novos modelos de bolsas e a apresentação dos desfiles de moda em locais inusitados como o Museu do Louvre. Importante ressaltar que Virgil Abloh é o designer e diretor artístico da coleção de moda masculina da Louis Vuitton desde março de 2018. E que a marca tem investido em roupas, acessórios e sua linha de perfumes.

Share

Related posts