sensus
My Partner
Sebrae
Census
Lytron

Os projetos dos Conselheiros do Conselho de Representantes dos Brasileiros no Exterior

A posse dos novos representantes  do Conselho de Representantes dos Brasileiros no Exterior (CRBE), será durante a III Conferência de Brasileiros no Exterior, no Palácio do Itamaraty, no Rio de Janeiro, com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que dará posse aos vencedores. Todos os eleitos terão uma reunião oficial durante a III Conferência Brasileiros no Mundo, e antes disso realizarão reuniões individuais durante as próximas semanas. Esta é a primeira vez que o governo brasileiro elege, com voto popular, representantes brasileiros para serem os porta-vozes da comunidade brasileira que vive no exterior.

A lista de eleitos para o Conselho de Representantes dos Brasileiros no Exterior (CRBE) para a América do Norte foi divulgada no dia 12 de novembro, em uma coletiva de imprensa com o Subsecretário-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior, o Embaixador Eduardo Gradilone. Mais de 18 mil brasileiros que vivem fora do Brasil elegeram pela Internet 16 conselheiros e 16 suplentes divididos em quatro regiões: Américas do Sul e Central; América do Norte e Caribe; Europa; e Ásia, África, Oriente Médio e Oceania.

Dois dos quatro representantes eleitos para a América do Norte são da Flórida: Silair Almeida, de Pompano Beach, o segundo mais votado, e Ronney Roger Molinari Oliveira, de Orlando, quarto mais votado. Os outros dois são Ester Sanchez-Naek, de Connecticut, em terceiro lugar, e Fausto Mendes da Rocha, de Boston, o mais votado. Entre os suplentes, Adriana Sabino, que ficou em quinto lugar, tem também forte presença na Flórida.

Na Europa, os vencedores foram Laércio da Silva (Reino Unido), Mônica Pereira (Bélgica), Carlos Neri (Inglaterra) e Flavio Silva (Espanha). Nas América do Sul e Central os eleitos foram Marilene Sguarizi (Paraguai), Romildo Maia (Paraguai), José Paulo Ribeiro (Suriname) e Padre Ari Sordi (Paraguai). os representantes para Ásia, África, Oceania e Oriente Médio são Siham Araki, Angelo Ishi (Japão), Carlos Shinoda (Japão) e Wilson Hayashida (Japão).

Segundo Gradilone, 298 brasileiros se candidataram ao cargo em todo o mundo. As eleições totalizaram 18.500 votos válidos e 2.500 votos não computados. O embaixador explicou que muitos votos não foram computados em virtude de discrepância nos dados dos documentos, duplicidade de votos e endereços de e-mail inválidos o que, consequentemente, impediu a confirmação dos votos.

A votação ocorreu entre os dias 1 e 9 de novembro. Para votar, os brasileiros acessaram um formulário on-line, no qual precisavam identificar-se pelos números de seus documentos oficiais, e escolher os representantes de sua região. Houve denúncias de possíveis fraudes no processo eleitoral, que foi realizado via internet. Gradilone disse que o ideal seria ter realizado as eleições via urna eletrônica, mas pelo fato das eleições terem sido na mesma época que as eleições presidenciais, todas as urnas estavam ainda em uso. No entanto, ele afirmou que a eleição via internet é super segura e profissional, “onde o sistema de segurança contra fraude é muito mais do que a pessoa possa imaginar”. Ele garantiu que o sistema do CRBE irá levar todas as denúncias em consideração para as próximas eleições, que serão realizadas dentro de dois anos.

O que pensam os conselheiros eleitos

Silair Almeida, de Pompano Beach

Silair Almeida tem trabalhado em prol da comunidade brasileira por cerca de 20 anos. Segundo ele, as eleições para o CRBE – Conselho de Representantes dos Brasileiríos no Exterior – foi uma grande conquista da nossa comunidade. Eu creio que avançamos muito. O sistema de votação foi de alto nível e as eleições transcorreram no melhor clima possível. Silair disse que para a próxima eleição, o ideal seria ter chapas com os candidatos, em vez de candidaturas individuais, mas que para a primeira eleição, o sistema adotado pelo Itamaraty foi o mais adequado. “O Itamaraty e toda sua equipe estão de parabéns. Temos hoje 16 conselheiros e 16 suplentes que vão representar oficialmente os brasileiros no mundo junto ao governo brasileiro e esta é uma grande conquista de nossa comunidade”, afirmou.

Como representante do Conselho, Silair disse que fará o meu melhor para continuar o trabalho que desempenhou há 20 anos, só que agora com mais proximidade ao Governo Brasileiro. “Vejo esta eleição como um reconhecimento de que estamos no caminho certo para construção de pontes e para o atendimento  ano comunitário.Temos como prioridade fazer com que as solicitações registradas na Ata do Conselho, aprovada no ano passado, seja implementada. Creio que seja importante priorizar a educação, o atendimento médico dos brasileiros que precisam retornar ao Brasil e que possam ser tratados nos hospitais do Brasil, na necessidade de um plano de saúde bilateral entre os governos brasileiro e americano e também na possibilidade do envio do carro de uso do brasileiro nos EUA junto com a mudança, quando ele retorna ao Brasil. Ele também acredita na necessidade de se ter mais consulados itinerantes nos Estados Unidos e na necessidade de que o Consulado tem de diminuir o prazo de espera na liberação de documentos como o passaporte.

“Acredito muito em nossa comunidade e sei que dias melhores virão. O momento é oportuno para unir os brasileiros em torno do companheirismo, de sonhos e necessidades. Desejo conhecer profundamente os anseios e carências de nosso povo em todas as regiões da América do Norte e Caribe. Prometo levar ao Governo todas as nossas reivindicações.Vou continuar fazendo o que faço, mas vou agora fazer com o respaldo do governo e ampliar os cuidados para toda América do Norte”, afirmou.

Ronney Roger Molinari Oliveira, de Orlando

Ronney Oliveira, pastor da Igreja Fonte de Vida, em Orlando, iniciou sua candidatura apenas duas semanas antes das eleições, mas teve grande apoio das outras 22 igrejas espalhadas por todo os EUA. “Isso mostra a força de Deus nesse caminho traçado pela política Brasileira”, disse. “Vou propor aos quatro eleitos pela América do Norte uma integração de objetivos. Queremos um time unido. Vamos construir a rede de brasileiros da América, não deixando de fora nenhum seguimento da nossa sociedade”.

Como a maioria dos imigrantes, Roney batalhou seu sustento com muito sacrifício. Sempre preocupado em ajudar a comunidade, Roney falou da sua motivação em se candidatar ao cargo de Representante da nossa comunidade: “Já há algum tempo que procuro, de alguma forma me envolver com a política neste país para então ajudar o meu povo. Vejo o imigrante brasileiro como um povo trabalhador e me incomoda profundamente vê-los sem poder trabalhar dignamente por falta de documentos. Sei que esta porta que o governo brasileiro abriu, colocando representantes, servirá de comunicação entre a nossa comunidade e o próprio governo brasileiro, será de tamanha importância para nós.”, disse ele.

Roney falou que muitas metas e diretrizes serão traçadas na Terceira Conferência de Brasileiros no Mundo, em dezembro deste ano. Na lista dos projetos que serão apresentados, está a escola de inglês para brasileiros e a escola de português para filhos de brasileiros que vivem aqui nos Estados Unidos. Ele acredita que estamos vivendo os momentos finais de uma crise que abalou o país e que esta é a hora de esperar com paciência as decisões do governo americano na questão de imigração. “Apesar dos momentos difícies que os imigrantes ilegais tem vivido nos Estados Unidos, esperar é a decisão mais coerente”, comentou Ronney. “Creio que realmente minha eleição foi vontade de Deus, pois só me candidatei 15 minutos antes de encerrar a data final de cadastramento para candidato e ainda assim fui eleito para o cargo. Minha intenção é tornar cada vez melhor a vida do imigrante brasileiro aqui na América”, encerrou Roney.

Ester Sanches-Naek, de Connecticut

Ester Sanchez-Naek sempre viajou e visitou comunidades brasileiras em todos os Estados Unidos e no mundo, onde tem colhido informações sobre as necessidades de cada comunidade. “Essa eleição está legitimando tudo que eu sempre fiz”, disse Sanchez. “Eu sei o quão importante é ter um título. Realmente foi um grande desafio pois todos eram pessoas com um histórico de vida e liderança comunitária bem antiga e respeitada. Que eu possa corresponder a todas as expectativas do Itamaraty que criou esta Sub-Secretaria que cuida de todos nós: Brasileiros no Mundo tais como as expectativas dos nossos compatriotas que virão em mim a capacidade de representá-los. “Desde 2002 venho ajudando a comunidade brasileira nos Estados Unidos em diferentes áreas: educacional, social, cultural, jurídica e de saúde. Por alguns meses havia decidido que não me candidataria ao conselho, mas cheguei a conclusão de que este é o chamado de Deus para mim, portanto o farei com prazer para honra e glória de seu nome e para junto ao Itamaraty trazermos mais apoio aos nossos compatriotas que vivem em nossa região.

Fausto Rocha, de Boston

Fausto Mendes da Rocha, fundador do Centro do Imigrante Brasileiro em Boston, também estreou sua candidatura quase na última hora, no dia 12 de outubro. Depois de ter sofrido uma injustiça no trabalho e ter sido mandado embora injustamente, começou a trabalhar com a comunidade e passou a ser voluntário em uma organização latina chamada Immigrant Resouce Center, vindo a ser eleito pelos latinos a representá-los na diretoria desta organização.

Em 2005 fundou o Centro do Imigrante Brasileiro (CBI) e trabalhou organizando a comunidade e participando de movimentos em favor da legalização imigratória, convocando o povo brasileiro para participar de passeata, e lutar pelos direitos trabalhistas, ajudando a recuperar mais de $4.000.000,00 de salário não pagos a brasileiros. Fausto pretende trabalhar na defesa desses direitos dos brasileiros e ser uma voz dos brasileiros junto ao Itamaraty. Ele quer trabalhar junto com os conselheiros eleitos em benefício da comunidade brasileira no exterior.

Adriana Sabino, uma suplente da Flórida

Adriana Sabino, a quinta mais votada, ficou como primeira suplente. Ela disse que pretende ajudar no que for necessário e trabalhar com todos para que o CRBE seja um instrumento eficaz de comunicação entre o governo brasileiro e as comunidades brasileiras no exterior. Esta é uma oportunidade histórica para fortalecer as comunidades brasileiras no mundo. Adriana afirma, os principais desafios são: ouvir as diferentes comunidades já que somos poucos para cobrir o mundo todo; determinar prioridades dentro das que já estão listadas nas Atas Consolidadas das duas primeiras Conferencias Brasileiros no Mundo; criar uma rede de comunicação eficaz entre as comunidades para dar a todos uma voz neste processo e, finalmente, criar um grupo que trabalhe harmoniosa e eficazmente para servir às comunidades brasileiras no exterior.

Adriana disse que pretende continuar o trabalho de manutenção de língua portuguesa e cultura brasileira para as crianças e famílias brasileiras que vivem na Flórida, um trabalho que tem desenvolvido há mais de 13 anos como presidente do Centro Cultural Brasil-USA da Flórida. “Vou continuar trabalhando no projeto do primeiro convênio entre o governo brasileiro e um sistema escolar público americano, buscando criar um modelo que possa ser exportado para outras escolas e sistemas escolares”, afirmou. Uma vitória foi a criação, em Miami, em 2003, do primeiro (e único) programa bilíngue e bi-cultural português-inglês numa escola pública americana – na escola Ada Merritt. Atualmente o programa vai do kindergarden à oitava série, atendendo 250 alunos!

Como projeto, ela destaca que há anos temn estudado a possibilidade de estabelecer um convênio que permita criar dentro deste programa um currículo complementar brasileiro, depois do horário escolar e levar este programa excepcional para outras escolas do Sul da Flórida e outros estados americanos, beneficiando muitas outras famílias brasileiras e disseminando nossa língua e nossa cultura em muitas outras comunidades. “Acredito que, com um convênio, vamos oficializar um programa sensacional, e criar um “kit programa bilingue” que poderá ser mais facilmente adotado em outras escolas. Esta proposta de convênio faz parte da Ata Consolidada das duas últimas Conferências de Brasileiros no Mundo”, explicou.

Share

Related posts