Lytron
sensus
My Partner
Sebrae
Census

Sequestradores na saída de Consulado

Sequestradores escolhiam vítimas na saída do Consulado dos EUA em SP

Quem vai ao Consulado dos Estados Unidos tem dinheiro – e se tem dinheiro pode ser roubado. Era esse o raciocínio dos três homens que sequestraram pelo menos 40 pessoas nos últimos três meses na Chácara Santo Antônio, zona sul de São Paulo. Os criminosos obrigavam as vítimas a sacar dinheiro em caixas eletrônicos e as escolhiam, principalmente, entre pessoas que deixavam a representação diplomática. Eles foram presos e reconhecidos por oito vítimas.

A polícia investigava a ação do grupo havia um mês. Com base nas queixas registradas, os policiais da Divisão Antissequestro (DAS) perceberam que os casos tinham uma ligação: os bandidos agiam de terno e gravata. Os investigadores procuraram nos prédios da região imagens que pudessem identificar os criminosos. No dia 4 deste mês, obtiveram uma em que dois deles caminhavam nas cercanias do consulado. Reconhecidos por uma das vítimas, a polícia passou a procurar os suspeitos.

No dia 14, os policiais localizaram os ladrões, depois que eles fizeram mais uma vítima, um comerciante de 29 anos. Ele aguardava em seu Honda Fit a namorada ser atendida no consulado. Os policiais acompanharam os acusados. Depois de soltar a vítima na Marginal do Tietê, os bandidos rumaram para o Morumbi, na zona sul. Ali deixaram o carro do comerciante na Avenida Giovanni Gronchi. Iam apanhar outro, um Citröen C3 – roubado havia um mês de outra vítima-, quando foram abordados.

Com os acusados, os policiais acharam R$ 1 mil sacados da conta do comerciante, dois celulares e um relógio. Segundo a vítima, era por volta das 10h30 quando Laerte Pinheiro Teixeira, de 21 anos, o Cabeça, e Ericsson Leandro Fernandes de Souza, de 26, abordaram-na na Rua Henri Dunant, onde fica o consulado.

Os dois obrigaram-no a entregar senha e cartão, que eles repassaram a um comparsa. Segundo a polícia, tratava-se de Marcílio Carlos de Oliveira, de 34 anos, o Boy. Este fez o saque. Enquanto isso, os outros bandidos mantinham a vítima no estacionamento de um supermercado. A DAS recuperou bens das vítimas e apreendeu um revólver 38 com os acusados. “Há muitas outras vítimas e a maioria não prestou queixa”, disse o delegado Wagner Giudice, diretor da DAS. Segundo ele, os acusados só confessaram o crime pelo qual foram presos em flagrante.

Share

Related posts