Lytron
My Partner
cultureholidays

Trump Defende Taxa de Juros a ‘Zero ou Menos’ nos Estados Unidos

PRESIDENTE DONALD TRUMP DEFENDE TAXA ZERO PARA CRESCIMENTO DA ECONOMIA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu que o Federal Reserve (Fed, o banco central do país) corte a taxa básica de juros para “zero ou menos”. “Devíamos então começar a refinanciar a nossa dívida. O custo com juros poderia ser trazido muito para baixo, enquanto ao mesmo tempo se prolonga o prazo (de vencimento da dívida)”, acrescentou.

As críticas do mandatário à con­dução da política monetária americana e os seus chamados por cortes de juros são recorrentes, mas trata-se da primeira vez, ao menos recentemente, que ele aponta o nível a que ele quer que a taxa chegue.

Em ao menos uma ocasião recente, Trump falou em uma tesourada de 100 pontos-base, “mas não de uma vez só”. Hoje, o juro básico do Fed está na faixa entre 2,00% e 2,25%. Em uma sequência de duas publicações no Twitter, Trump argumentou que, como os EUA têm “a grande moeda, poder e balanço de ativos” e “nenhuma inflação”, deviam pagar sempre a taxa mais baixa.

“É só a ingenuidade (do presiden­te do Fed Jerome) Powell e do Federal Reserve que não nos permite fazer o que outros países já estão fazendo. Uma oportunidade única na vida que estamos perdendo por causa de ‘cabeças de ven­to’”, encerrou.

O produto interno bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu a uma taxa anualizada de 2% no segundo trimestre deste ano, um décimo abaixo do cálculo preliminar oficial para o período, segun­do informou o governo americano nesta quinta-feira.

O dado significa uma revisão em leve baixa da economia, embora man­tenha uma taxa saudável. No primeiro trimestre do ano, a economia america­na tinha registrado um crescimento de 3,1%.

A despesa dos consumidores, que nos EUA representa dois terços da atividade econômica, aumentou 4,7% no segundo trimestre deste ano. A previsão era de 4,3%.

A divulgação dos números vem dias antes da reunião de política mone­tária do Federal Reserve (Fed, banco cen­tral dos EUA), em 17 e 18 de setembro.

Share

Related posts