Renove-se – A Única Pessoa Que Você Pode Mudar é a Si Mesmo

Com a Páscoa, vem a lem­brança da renovação. Que tal aproveitar o momento para renovar a si mesmo? Somos o acúmulo das nossas ações e dos hábitos que levamos ao longo da vida. Nós formamos quem somos e podemos escolher se vamos continuar como estamos ou melhorar o que pode ser melhorado e nos livrar do que já não nos serve. Se você fizesse uma auto- avaliação de como age, como se apresenta e que tipo de energia emana, quais seriam suas conclusões? Conseguiria sentir orgulho de si mesmo ou sentiria vergonha, arrependimento ou algum outro sentimento negativo? Você pode passar sua vida tentando mudar as pessoas ao seu redor, sem ver resultados.

A única pessoa que você tem o poder de mudar é a si mesmo. Não adianta tentar mudar seus pais, seus filhos, seu cônjuge, irmãos, amigos ou colegas de trabalho. Mas você pode certamente mudar como reage ao que gostaria de mudar neles. Veja que não se trata de uma causa per­dida. Não é porque não tem como muda-los que precisa continuar se incomodando com o que lhe tira do eixo.

Cada pessoa tem sua personalidade, além de seus próprios problemas, dores e fardos a carregar. Se você acha que uma pessoa é grossa por exemplo, não responda com mais grosseria, trate-a com delicadeza e compreen­são, e veja se o relacionamento melhora. Você não sabe o que essa pessoa está passando, e se reagir à grosseria, ela terá a impressão de que você é quem está originando suas palavras e ações de uma fonte negativa, o que acabará piorando a situação.

Em geral, quando somos criticados ou maltratados até sem querer, por alguém que está mal-humorado ou de mal com a vida, reagimos com o mesmo negativismo, por sermos impulsionados pelo nosso ego. Não admitimos ser ofendidos, desafiados nem questionados. Temos uma forma intrínseca de reagir com mais agressividade, enquanto poderíamos lembrar que somos melhores do que essa reação imediata e não comprar a briga. Nossa convivência seria muito mais fácil se todos originássemos nossas respostas do amor, compreensão e paz.

Quando reagimos negativamente, impulsionados pelo nosso ego e pela necessidade de convencer ao outro de que estamos certos, alimentamos ainda mais a raiva e outros sentimentos negativos, além de agravar uma situação que já estava ruim. Em contrapartida, quando evitamos situações de confronto, honrando nossa paz in­terior, podemos nos poupar de sentimentos desagradáveis que seriam consequência do conflito.

Abafar o ego por um instante pode ser difícil, mas extremamente compensador, já que a tentativa de nos defender ou nos provar certos só causaria mais danos ao relacionamento e a nós mesmos. Sem contar que a cada vez que revivemos uma situação de confronto, prejudica­mos a nós mesmos, aflorando os sentimentos de rancor e ressentimento. Então em vez de tentar mudar a tudo e todos ao seu redor, comece a mudar suas reações ao que gostaria de mudar neles.

Pause por um instante, respire. O exercício de inspirar e expirar profundamente pode mudar sua perspectiva e até salvar relacionamentos. Quantas vezes dizemos coisas que não podemos mais apagar? O silêncio pode dar uma falsa impressão que você está deixando de defender a si mesmo, ou seguir seus princípios.

Porém o objetivo não é calar e sofrer, mas não reagir tendo a raiva como impulso. É melhor ter uma conversa mais tarde, originando suas palavras do princípio do respeito e amor. E quanto a se defender, quem não entra na guerra não precisa se defender. Saiba que você pode se afastar de uma situação de atrito, partindo do princípio da paz, amor, respeito e preservação do relacionamento. Se você sai de uma situação desagradável, se sentindo superior à outra pessoa que está dominada pelo negativismo, você acaba tornando-a pior ainda.

É seu ego que precisa competir, se comparar e se provar certo. Você não precisa de nada disso para viver em harmonia. Busque se conectar consigo mesmo e melhorar seus relacionamentos. Lembre-se que seu relacionamento consigo mesmo é a base de todos os outros, portanto o mais importante. Se você não está bem consigo mesmo, não consegue se relacionar de maneira positiva com os demais. Da mesma forma que se não se ama, não será capaz de amar a outros genuinamente. O mesmo vale para o respeito e cuidado.

Você se respeita? Ou se autocritica, julga e trata mal? Quando você se olha no espelho você usa xingamentos para criticar seu corpo ou ama e respeita suas imperfeições? Quando não consegue atingir um objetivo você se perdoa ou se critica de forma negativa? Trate a si mesmo como trata­ria alguém que ama muito. Quanto melhor se sentir consigo mesmo, melhor será seu relacionamento com os outros. Nos preocupamos tanto com os outros; com o que sentem, pensam e julgam de nós, que esquecemos de priorizar o não julgamento de nós mesmos e dos demais.

Procure se renovar, trabalhando suas reações, seus julga­mentos e sua habilidade de perdoar. Trate aos outros como gostaria de ser tratado e observe se os seus relacionamentos progridem para uma base de amor e respeito. Não há sen­sação melhor que a de estar de bem consigo mesmo e com o mundo à sua volta. Desejando-lhe abundância de saúde, bem-estar e inspiração para se renovar e melhorar a cada dia.

QUANDO REAGIMOS NEGATIVAMENTE, IMPULSIONADOS PELO NOSSO EGO E PELA NECESSIDADE DE CONVENCER AO OUTRO DE QUE ESTAMOS CERTOS, ALIMENTAMOS AINDA MAIS A RAIVA E OUTROS SENTIMENTOS NEGATIVOS, ALÉM DE AGRAVAR UMA SITUAÇÃO QUE JÁ ESTAVA RUIM.

Sabrina Powell é pós-graduada em Saúde e Bem-estar, Bacharel em Turismo e Lazer. É proprietária da Movimento Wellness – a movement for well-being Coach de Saúde e Bem-estar e Instrutora de Pilates. Informações sobre o tema pelo E-mail: coach@movimentowellness.com ou no site www.movimentowellness.com.

Share

Related posts