Seja Meu Valentine

Love is in the air em fevereiro. Depois da chegada de 2019, é a vez de celebrar o Valentine’s Day, o dia em que o amor e a amizade estão mais do que em alta. Uma grande oportunidade para estar perto das pessoas que são importantes e expressar a gratidão, admiração e o carinho para quem se gosta. O Valentine’s Day é celebrado em todo o mundo.

COMO O MUNDO CELEBRA A DATA MAIS ROMÂNTICA

A Europa foi a origem de tudo. A história con­ta que uma medida drástica do imperador romano Claudio II proibiu os casamentos na época por achar que os homens solteiros seriam melhores soldados. O sacerdote Valentim se opôs e passou a realizar matrimônios de forma clandestina mas foi preso até a sua morte no dia 14 de fevereiro. Outra teoria diz que a tradição vem da Inglaterra quando Geoffrey Chaucer escreveu um poema – O Parlamento dos Pássaros – e em fevereiro, os pássaros saíam em busca de um par. Talvez tenha surgido daí a expres­são “pombinhos”.

Na cidade mais romântica do mundo, Paris, a programação é intensa. Além do passeio pelo rio Sena ou uma visita à torre Eifel, onde muitos pedidos de namoro e casamento são feitos, o Museu Rodin oferece o “Love Night”. Um evento em que os convidados visitam os jardins e o museu ao som de jazz e luz ambiente. E a partir do dia 14 de fevereiro até 11 de março, o Jardim des Plantes exibe o “Mille & Une orchidées” (Mil e uma orquídeas), uma rara coleção com 92.000 espécies de orquídeas da África, Ásia, Oceania e Américas em um jardim tropical. Um cenário que sem dúvida inspira um dia pra lá de romântico.

No Reino Unido, a tradição é prepa­rar um bolo no formato do coração e doces feitos em casa. Os britânicos têm o costume de dar flores, cartões e os populares ursi­nhos de pelúcia e é comum ver declarações de amor publicadas nos jornais e revistas locais. Mas as flores ainda são as preferidas e cada uma tem um significado: rosas ver­melhas são presenteadas aos namorados e rosas brancas e amarelas aos parentes e amigos. ”Mesmo estando em casa, nos vestimos elegantemente à luz de velas, música ambiente com direito ao tim tim do I love you”, declara a brasileira Beth Kress, casada há 25 anos com o inglês Norman Kress.

Nos Estados Unidos, é comemorado não só pelos namorados, noivos e casados. Todos participam, desde as crianças que trocam cartões, chocolates e lembrancinhas nas escolas, até os colegas de trabalho, vizinhos, amigos e familiares. Mas nem todo lugar é assim. Cada país celebra ao seu próprio estilo, de acordo com a sua cultura.

Na Tailância, os tailandeses comemo­ram como ninguém e levam tão a sério que o Valentine’s Day é o dia mais requisitado para casamentos com direito a grandes festas e uma programação bem diferente. Alguns casais participam de competições com muita aventura e adrenalina. Já no Museu “Believe it or Not”, mais de trinta casais ficam abraça­dos sem parar, na tentativa de quebrar o recorde mundial de 25 horas, 22 minutos e 36 segundos. Uma maneira que não deixa de ser aconchegante e exótica ao mesmo tempo.

No Canadá, apesar de mui­tos acharem que tudo não passa de uma boa jogada de marke­ting para o comércio faturar, a população em geral ainda adere à comemoração e alguns acham que passar o tempo juntos é o melhor programa. Segundo uma pesquisa, moradores de Quebec apostam mais nas flores e os de Ontario investem nas joias para presentear. Nas escolas, as crianças capricham nos bilhetes e competem para ver quem recebe mais. ”Aqui no Canadá é parecido com os Estados Unidos. E´bem abrangente e as pessoas que têm uma relação de amor comemoram este dia”, afirma Giovanna Fontoura, arquiteta em Toronto.

Nos Estados Unidos, a tendência é de crescimento de adeptos e a expectativa é que o consumo aumente este ano. De acordo com o National Retail Federation, cerca de U$ 19.6 bilhões serão gastos este ano. É esperado que cada consumi­dor gaste em média cerca de U$143.50. Segundo uma pes­quisa realizada pela Federação, namorados e casados ainda são o público maior e a troca de presentes entre colegas de trabalho é o menor de todos. Pessoas na faixa etária entre 25 e 34 anos são os que mais gastam durante este período do ano.

E para quem quer inovar, existem outras maneiras de curtir o Valentine’s Day de uma forma bem generosa. Uma boa oportunidade de exercitar o ditado “sharing is caring” em um dia tão especial. Um simples gesto pode significar muito para aqueles que muitas vezes não participam desta corrente do amor: enfermos, crianças orfãs, idosos, etc.

Ideias não faltam e as redes sociais po­dem ajudar a fazer a diferença, promovendo as instituições nonprofit, com a criação de um post e um hashtag com o tema do Valentines. O contato pessoal também tem o seu lugar e se voluntariar com criatividade neste dia levando atenção e afeto, faz muito bem para quem dá e para quem recebe. Coincidência ou não, na mesma semana, no dia 17 de feverei­ro, é comemorado o National Random Acts of Kidness Day, (Dia nacional de atos aleatórios de bondade), que surgiu na California e já se espalhou por outros estados.

Independente de datas comemorativas, é sempre tempo de reconhecer o valor das pessoas e demonstrar com gestos significati­vos os verdadeiros sentimentos. Afinal, não há tempo a perder.

Share

Related posts