Economia Brasileira está Abaixo do seu Potencial, Segundo o FMI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou um relatório sobre o Brasil no qual afirmou que a economia do país recupe­rou de uma grave crise, mas este movimento de retoma tem um “desempenho abaixo do seu potencial”.

“Uma leve recuperação apoiada por políticas monetárias e fiscais acomodatícias está em andamento [no Brasil]. Mas a econo­mia está com desempenho abaixo do seu po­tencial, a dívida pública é alta e crescente e, mais importante, as perspectivas de crescimento a médio prazo permanecem sem inspiração”, afirmou o FMI. O FMI projetou que o Brasil terá um crescimento do seu Produto Interno Bruto (PIB) de 1,8% em 2018, e de 2,5%, em 2019, impulsionado por uma recuperação do consumo interno e do investimento.

No entanto, a instituição econômi­ca alertou que mesmo que as despesas do Governo brasileiro permaneçam constantes em termos reais ao nível de 2016, conforme exigido por uma regra constitucional em vigor, a dívida pública pode ficar acima de 90% do PIB em 2023. Dentro destes quadros, o FMI defendeu que “a consolidação fiscal [do Brasil] é fundamental para manter a confiança na sustentabilidade da dívida”.

O FMI recordou ainda que o país “é vulnerável a um aperto nas condições financeiras globais e possíveis interrupções no comércio, mesmo que os efeitos do desvio do comércio possam atenuar o impacto”.

Na sua avaliação, os diretores exe­cutivos do FMI reforçaram novamente que a recuperação econômica do Brasil está em andamento, mas continua sujeita a riscos de queda significativos decorrentes da incerteza em relação à continuidade das reformas.

Uma das reformas citadas é a do sis­tema de segurança social que chegou a ser discutida no Congresso Brasileiro, mas foi interrompida porque é muito impopular e o presidente Michel Temer não conseguiu apoio suficiente para aprová-la.

Na conclusão, o FMI aconselhou o Brasil a adotar “medidas adicionais de corte de gastos, que poderiam incluir esforços decisivos para conter a massa salarial pública, ao mesmo tempo que protegem o investimento público e os programas sociais. As reformas para sim­plificar os impostos devem ser considera­das e o quadro fiscal deve continuar a ser fortalecido”.

Share

Related posts