Angelica Blakely na Liderança do Rotary Club Boca Raton West

Angelica Blakely tomou posse em junho como a nova presidente do Rotary Club Boca Raton West, durante um jantar no The Little Brazil, em Boca Raton. O evento reuniu rotariamos, empresários, a imprensa e amigos. Angelica assume a liderança do clube para o ano de 2018-2019. O Rotary de West Boca é o primeiro rotary brasileiro dos EUA. O clube foi fundado em Março de 2008, partindo da idéia do rotariano e empresário Douglas Heizer. Esta é a segunda vez que Angelica assume a presidência da entidade e entre seus planos à frente do Rotary de Boca está dar continuidade ao trabalho desenvolvido nos últimos anos. “Devo dizer que apesar da experiência, estou hoje num contexto muito diferente ao de 2013-2014. Se já naquela época se falava da importância das parcerias, hoje é condição essencial. Apesar do Rotary a nível mundial nos oferecer diversas opções de projetos em parcerias estratégicas com a UNICEF, Fundação Bill & Melinda Gates, Habitat para a Humanidade e vários outros, a entidade nos dá a liberdade de criarmos nossas próprias parcerias locais.

LINHA ABERTA: Fale sobre a proposta de trabalho do Rotary de West Boca.

ANGELICA BLAKELY: Apesar de cada clube do Rotary ter suas características próprias e focar em projetos que visam suas necessidade locais, estamos conectados a nível mundial por um objetivo único através do lema presidencial de cada ano rotário. Barry Rassin, presidente do Rotary Internacional 2018-2019, escolheu o lema “Seja a inspiração”, convidando-nos à ação através do entusiasmo e alertando-nos sobre a importância de cuidarmos urgentemente do meio ambiente.

LINHA ABERTA: O Rotary de West Boca é o primeiro rotary brasileiro dos EUA. Como surgiu a oportunidade de abrir um Rotary brasileiro na Florida?

ANGELICA BLAKELY: O clube foi fundado em Marco de 2008, partindo da idéia do experiente rotariano Douglas Heizer. Como membro do Rotary Internacional desde 1989, ocupou várias posições de liderança no Rotary Club da cidade de Niterói, de onde emigrou para os Estados Unidos. Em 2002, tornou-se membro do Rotary Club Boca Raton Sunset, onde foi presidente no ano rotário 2007-2008. Foi quando solicitou ao Distrito 6930 a criação de um clube de brasileiros, pois queria dar à nossa comunidade a oportunidade de se socializar e expandir seus relacionamentos através do serviço voluntário.

LINHA ABERTA: Esta é a segunda vez que você assume a presidência da entidade. Quais seus planos à frente do Rotary de Boca?

ANGELICA BLAKELY: Devo dizer que apesar da experiência, estou hoje num contexto muito diferente ao de 2013-2014. Se já naquela época se falava da importância das parcerias, hoje é condição essencial. Apesar do Rotary a nível mundial nos oferecer diversas opções de projetos em parcerias estratégicas com a UNICEF, Fundação Bill & Melinda Gates, Habitat para a Humanidade e vários outros, a entidade nos dá a liberdade de criarmos nossas próprias parcerias locais. Logo, na nossa agenda, já temos projetos com outros clubes, com outras organizações e com a comunidade brasileira.

LINHA ABERTA: Fale sobre os atuais projetos da Instituição.

ANGELICA BLAKELY: As áreas de enfoque dos nossos projetos visam combater doenças, fornecer água limpa e saneamento, cuidar da saúde de mães e filhos, apoiar a educação, favorecer o desenvolvimento econômico e promover a paz. Como exemplo, na programação estão a doação de Bolsas de Estudos, o contexto de redação dos alunos terceiro ano de três escolas públicas da área de Boca Raton, o envio de dois estudantes ao RYLA – Programa de Liderança para Jovens que estão no “High School”, campanha de doação à luta contra a Pólio, a campanha infantil “Josh the Otter”, de segurança e conscientização da água, e muito mais.

LINHA ABERTA: O que é ser rotariano? Por que as pessoas deveriam ser engajadas no Rotary?

ANGELICA BLAKELY: Na minha experiência, ser Rotariano é se despir de preconceitos para se permitir conectar com as diversas raças e culturas com o objetivo de buscar a valorização da vida, em todos seus aspectos, e a conservação do meio ambiente. O Rotary acrescenta valor à nossa vida. Seja pelas amizades que fazemos ou pela satisfação de ajudarmos o próximo, aqui nós somos empoderados para causar mudanças positivas e temos inúmeras oportunidades de engajamento com a comunidade global.

LINHA ABERTA: Qual a relação do Rotary de West Boca com o Rotary de Boca Raton, da Flórida e dos EUA?

ANGELICA BLAKELY: A cidade de Boca Raton possui seis Rotary Clubs, cada um com suas características, porém todos pertencem ao distrito 6930, que vai de Boca a Titusville. Ou seja, todos trabalham a favor do mesmo objetivo por distintos caminhos. “O distrito rotário é uma área geográfica que reúne um certo número de Rotary Clubs, para fins administrativos do Rotary International. Cada um dos distritos é liderado por um governador, que é um administrador do RI. O Rotary International é a associação mundial de Rotary Clubs. É dirigido por um Conselho Diretor, com Sede Mundial localizada em Evanston, Illinois, um subúrbio de Chicago.

LINHA ABERTA: Qual a relação do Rotary de West Boca com o Rotary do Brasil? Conte como funciona esta parceria.

ANGELICA BLAKELY: Somos companheiros rotarianos, nos visitamos quando estamos em trânsito e nos unimos para projetos internacionais. Em 2013, juntamente com o clube de Mogi das Cruzes, interior de São Paulo, inauguramos um banco de leite humano, destinado aos bebês prematuros internados na UTI da Santa Casa de Misericórdia de Mogi das Cruzes. E recentemente, em parceria com o Rotary Club Curitiba, a Fundação Rotária aprovou o projeto de aquisição de um “Craniotome “para o Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba, o que ajudará na realização de neurocirurgias em pacientes de 0 a 18 anos, na sua maioria com câncer, com muito mais precisão”.

Share

Related posts