Imigrante mexicano protegido por programa de Obama é libertado nos EUA

Daniel Ramírez Medina se beneficiou do programa DACA (Deferred Action for Childhood Arrivals, em inglês), assinado pelo ex-presidente em 2012.
Um jovem mexicano que chegou aos Estados Unidos quando era criança, detido há seis semanas, apesar de estar protegido por um decreto que impede sua expulsão do país, foi libertado.
Daniel Ramírez Medina, que se beneficiou do programa DACA (Deferred Action for Childhood Arrivals, em inglês), assinado pelo ex-presidente Barack Obama em 2012, foi libertado por ordem de um juiz na terça-feira (28), informaram seus advogados.
Os agentes de imigração detiveram em fevereiro Ramírez, que chegou aos Estados Unidos quando tinha 7 anos, embora seu status de DACA seguisse em vigor.
Como o de Ramírez, ocorreram outros casos similares, o que despertou preocupações nos grupos de advogados de direitos humanos sobre como a política migratória do novo presidente americano, Donald Trump, afetará os migrantes protegidos pelo DACA.
O DACA foi assinado para garantir que os migrantes que chegaram com seus pais quando eram crianças aos Estados Unidos possam permanecer e trabalhar no país.
Cerca de 750 mil jovens, conhecidos como “dreamers”, se beneficiaram do programa.
No caso de Ramírez, os agentes de imigração invadiram sua casa para deter seu pai no âmbito de uma investigação separada, e depois afirmaram que Ramírez havia confessado que pertencia a uma gangue.
Ramírez, que não tem antecedentes criminais, negou as acusações.
Na terça-feira, em uma audiência, o juiz John Odell de Seattle o libertou sob uma fiança de US$ 15 mil à espera de novos procedimentos.
“Como os 750 mil sonhadores neste país, Daniel foi trazido aos Estados Unidos quando criança e não conhece nenhum outro lar”, declarou Mark Rosenbaum, um advogado da associação Public Counsel e membro da equipe legal de Ramírez.
“É um importante primeiro passo rumo à justiça para Daniel”, destacou.

Related posts