Especial Comportamento: Planejando seu êxito em 2015

O  tempo não existe. A rigor, só o eterno agora. Mas, nós precisamos do conceito de “tempo”, a fim de organizarmos melhor nossa existência no mundo. Quem foi que inventou as expressões: ano passado, há cem anos atrás, daqui a duzentos anos e outras categorias que criam mais outros conceitos, como: passado, presente e futuro?  Nós criamos tudo isso, pois, sem noção de tempo, também não há planejamento.

Planejamento e o conceito de tempo

Planejar exige primeiramente um diagnóstico bem feito. Isso tem a ver com o presente. A pergunta-chave é: onde estou agora? Esta pergunta pode ser desdobrada em duas? O que há para celebrar? Que dificuldades estou enfrentando?  Bem respondidas, essas perguntas podem mapear a situação a fim de clarificar o momento e potencializar mudanças significativas. Sem diagnosticar o presente estado de coisas, não se pode caminhar na direção do futuro, com possibilidade real de sucesso.
Planejar exige também um breve retorno ao passado. Se no diagnóstico você percebe que algumas coisas estão travadas, é fundamental olhar para as ações e atitudes do passado e descobrir as causas dos problemas presentes. Uma vez percebidos os movimentos que não deram certo, elimina-se, dentro da urgência possível,  tais procedimentos. Querer resultados diferentes fazendo as mesmas coisas, é burrice ou, na melhor das hipóteses,  ingenuidade.  A pergunta-chave que se deve fazer nesse estágio é: O que posso eliminar, sem prejuízo, a fim de que eu possa empregar minhas energias naquilo que é realmente produtivo?
Planejar é uma atividade teleológica, isto é, um olhar para o futuro. Planejamos chegar em algum lugar, porque a vida tem vocação para o florescimento e não para simples manutenção. Assim, nesse estágio do olhar para um ponto de chegada, a partir de um ponto de partida, temos de formular uma visão.

Missão e visão

Quando pensamos em visão, temos de pensar também em missão, porque é a missão que está na base da visão. Qual a diferença entre uma coisa e outra? Missão é o propósito pelo qual uma pessoa ou um negócio existe. Por exemplo: a missão de um alpinista é escalar montanhas. Já  a visão é especifica, implica em formular um lugar de chegada. O mesmo alpinista, cuja missão é escalar montanhas, pode desenvolver a visão de escalar o Monte Evereste.  Na visão, portanto, está respondida a pergunta: Onde quero chegar?
Sem visão corremos o risco de gastar energia em movimento sem deslocamento. Sem visão não há liderança, sem visão não há motivação, sem visão a vida definha. Quando um corredor entra na pista, define seu lugar de êxito: o pódio, de preferência,  em primeiro lugar. Se pensarmos em 2015, qual é o seu pódio? Qual é o lugar  que, em chegando, você se sentirá vitorioso? Pode ser, por exemplo, chegar ao fim de 2015 sem dívidas, comprar sua primeira casa, perder  “n” quilos, consolidar a publicação de um livro, montar seu primeiro negócio ou elevar o que já  tem a um patamar superior, enfim, desenvolva uma visão de onde quer estar no final do ano.

Passos estratégicos

Sabendo  qual é o seu pódio, defina os passos para chegar lá. Passo é uma atividade que nos coloca mais perto do alvo. Se uma atividade não nos aproxima do alvo, deve ser eliminada. Não dá para ficar desperdiçando energia, tempo,  e recursos em movimentos vazios de propósito.  Não tenha vergonha de descartar atividades que não impulsionam seu negócio, sua vida;  que não otimizam seu negócio, seu caráter; que travam os processos, em vez de torná-los correntes, na direção do êxito.
Um passo tem de ser claro. O alpinista que tem como visão alcançar o pico do Evereste, pode  planejar os seguintes passos: Adquirir um mapa, contratar um guia experiente,  treinar cinco horas por dia, comprar equipamentos apropriados, etc.
Um passo tem de ser mensurável. Um mapa, um guia, cinco horas, equipamentos apropriados. Tudo isso pode ser medido. Não coloque metas abstratas ou genéricas, tais como: Encontrar satisfação, observar a paisagem,  desfrutar da natureza, etc.  Seja específico, objetivo, direto e preciso.

Gerenciamento

Todos nós sabemos que planejar  é relativamente fácil, colocar em prática é outra questão e, quase sempre a frustração.  Quem já não firmou algum propósito, no final do ano,  para abandoná-lo já no início do ano novo? A maioria de nós. O desânimo ocorre quando vem os obstáculos, os problemas. Por isso, administrar bem é também a arte de resolver problemas.  Quando acumulados, os problemas tendem a nos engolir, controlar e travar nossa caminhada. Passamos, assim, a cuidar somente daquilo que é urgente e deixamos de lado aquilo que é importante.
Uma boa dica é ter uma lista de tarefas. Você vai perceber que a maior parte dessas tarefas é de ordem corretiva ou de manutenção.  Se administrar é também resolver problemas,  uma boa parte do nosso tempo tem de ser dedicada a resolvê-los, sem procrastinação. Não deixe para amanhã o que você realmente pode fazer hoje.  O seu amanha vai agradecer, pois sobrará mais tempo para tarefas que servem como passos para chegar no alvo.
Por último, porém, mais importante, dê atenção ao que merece atenção prioritária: sua família, sua rede social de apoio, seus relacionamentos. Relacionamentos produzem machucados, mas também curam. Não faça do trabalho, da empresa ou de sua carreira, um ídolo. Não se ajoelhe perante o sucesso, pois, “que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma”, isto é, a sua saúde física, mental e espiritual? Planeje para chegar ao “exito”, mas não se esqueça de que o maior sucesso alcança quem se torna melhor pai, melhor marido, melhor amigo e, em geral, uma pessoa melhor cada dia.
Feliz ano novo!

>> Josias Bezerra é formado em psicologia, teologia, com mestrado em  Cristianismo e Cultura. É também certificado em “life coaching” e licenciado em Aconselhamento Cristão. E-mail: jobesi@comcast.net.

Share

Related posts