Empresas buscam parcerias para maximizar mercado

Líderes e empresários brasileiros que moram nos Estados Unidos falam sobre a importância da parceria no mundo dos negócios.

Empresários e líderes estão cada vez mais fazendo parcerias para facilitar e fortalecer as transações comerciais, ideológicas e institucionais.  A cada ano o mercado se torna mais competitivo, e os clientes estão mais ativos e exigentes. Sendo uma tendência do mercado nos últimos anos, a parceria ganha força e abre possibilidades de crescimento no mercado globalizado, sendo uma das forças motoras do mercado empresarial.

Se antes os empresários se preocupavam em expandir seus negócios e explorar novos territórios sozinhos, hoje, o mundo business percebeu que o aliado pode fazer a diferença na busca por essas conquistas. O aumento da concorrência levou a uma necessidade maior de destaque no mercado e na busca por soluções que garantam o lugar ao sol das empresas, que passaram a caminhar juntas e a investir na parceria.

Por esse motivo, até mesmo para pequenas empresas, as parcerias trazem muito benefícios. Por não haver a necessidade de muito investimento, a parceria se torna a oportunidade ideal para micro e pequenos empresários que complementam seus serviços e agregam valor ao seu negócio.

E esta nova realidade faz parte do mundo empresarial da comunidade brasileira nos Estados Unidos. Cada vez mais, empresas brasileiras unem forças através de parcerias que vão desde fusão de empresas até uso de estratégias de marketing para trabalhar junto um mesmo Mercado, prestando serviços ou vendendo produtos que complementam um ao outro. Por isso, a reportagem da revista Linha Aberta ouviu líderes e empresários locais sobre o assunto e apresenta dicas e estratégias importantes sobre parceria entre empresas e instituições.

Segundo Andrea Faria, presidente do BBG, Brazilian Business Group, no mundo atual, as associações e parcerias são um caminho inteligente e estratégico  para o desenvolvimento e a otimização de esforços. Entre lideranças não é diferente, a sinergia entre líderes e a soma de experiências, know-how e esforços  tende sempre a beneficiar as comunidades aos quais eles fazem parte.  Com o BBG não tem sido diferente, temos ampliado cada vez mais nosso leque de parceiros o que tem fortalecido e contribuído para o crescimento do grupo, sem que percamos o controle de nossas atividades e metas.

Andrea  explica que os benefícios de uma parceria podem ser enormes, desde que as escolhas dos parceiros sejam frutos de decisões conscientes entre entidades que comunguem com princípios básicos de ética, responsabilidade e seriedade. O aumento da produtividade e versatilidade são exemplos de benefícios, alem do fortalecimento das instituições envolvidas. A união de esforços tende sempre a potencializar os resultados como também ampliar o campo, de ação das entidades. “Em nossa experiência institucional, temos procurado parceiros que tenham áreas de congruência com o nosso grupo e que efetivamente somem a nossa experiência e desenvolvimento”.

Questionada se existem cuidados a serem tomados quando estabelecemos parcerias com outras pessoas ou entidades, Andrea garante que existem cuidados básicos que não podem ser negligenciados ao custo de uma experiência desastrosa e desgastante para ambas as partes. Para haver sucesso é imprescindível que haja sinergia entre os parceiros e identificação de políticas, práticas e código de ética. É também importante a clareza na definição de objetivos e responsabilidades de cada parceiro para evitar contratempos e mal entendidos. E por último, a manutenção da identidade e independência de cada parceiro de forma a fortalecer cada parte individualmente.

Anthony Portigliatti, presidente e chanceler da FCU, Florida Christian University, afirma que as parcerias estratégicas existem há décadas, seja no Brasil, Estados Unidos ou de forma global. Ele explica que fomos surpreendidos centenas de vezes por grandes líderes ou empresas fazendo fusão de operações, deixando de canibalizar o mercado e ganhando em produtividade, rentabilidade e melhor atendendo a seus clientes. A diferença na atualidade é que estas parcerias estão acontecendo em vários níveis, de produto ou de serviços.
O presidente da FCU afirma que a lei de mercado é clara.  “Sempre afirmo que tem duas coisas soberanas no planeta, primeiro Deus acima de todas as coisas, e depois o mercado, sempre competitivo onde ganha tem o melhor produto ou serviço e o melhor preço. E para fazer frente a esse mercado tão competitivo, as parcerias estratégicas diminuem custos, multiplicam a eficiência logística e todos ganham, com o fruto da inovação colaborativa, mas temos que estar preparados emocionalmente para sermos parceiros, com a mudança da nossa mentalidade, quebrando crenças limitantes, abdicando da vaidade corporativa, ministerial, institucional, em prol da eficiência e da competitividade”.

Anthony Portigliatti explica que desde que a Florida Christian University iniciou o processo de parcerias acadêmicas internacionais multiplicou sua participacao global. “Hoje temos 29 professores dando aulas na FGV no Brasil com as melhores avaliações, com os doutorados da FCU, fruto de parcerias estratégicas, 760 profissionais de educação em 3 estados do nordeste, e posso fazer uma lista imensa de conquistas colaborativas. O resultado tem sido positivo para todos”.

Sobre o estabelecimento de parcerias, ele afirma que existem cuidados a serem tomados quando estabelecemos parcerias com outras pessoas ou entidades. “Depois de desafiado em várias oportunidades, mas com mais de 100 parcerias ativas e bem sucedidas, algumas de até 30 anos, tenho algumas receitas importantes, umas espirituais, outras emocionais e por último outras práticas, sobre gestão e mercado, onde em todas estas parcerias, a “calibragem” entre os parceiros é a principal matéria prima, e a capacidade de dialogar, de tirar as dúvidas ANTES de iniciar a parceria são fundamentais para o sucesso entre as empresas”.

Paulo Abreu, presidente do Abreu International Coaching Institute, vê o crescimento de parcerias nas relações entre líderes, como uma tendência global que vem crescendo muito no mercado atual. “Eu particularmente aprecio essa forma de crescimento empresarial ou até mesmo de crescimento pessoal. É uma estratégia que sendo bem feita vai beneficiar a todos os envolvidos, inclusive os clientes que consomem os produtos e serviços disponíveis no mercado”’.

Paulo Abreu assegura que os benefícios de uma parceria são imensuráveis: aumento de know how, de qualidade, lucratividade, produtividade, diminuição de custos, diminuição de perdas em produção, aumento de vendas, melhora na qualidade dos funcionários envolvidos, maior desempenho no mercado, aumento da capacidade de retenção e fidelização de clientes, dentre tantos outros benefícios que existem, estes por si só já justificam o negócio.

Entre os cuidados a serem tomados quando estabelecemos parcerias com outras pessoas ou entidades, Paulo Abreu destaca que esse é o ponto nevrálgico do negócio e deve ser levado em consideração antes da tomada de decisão. Ele apresenta alguns pontos de devem ser analisados antes que as pessoas ou empresas firmam uma parceria. Em primeiro lugar é necessário entender a visão e a missão da empresa em questão, entender os valores e as crenças envolvidas e principalmente o foco e o objetivo da parceria.

Depois dessas preliminares é muito importante ter uma consultoria externa para fazer os ajustes na relação de funcionários que serão incorporados e suas novas funções e os que poderão ser remanejados para outras funções e departamentos, e inclusive os que deverão ser dispensados na nova empresa. Dependendo do tipo de parceria, provavelmente algumas funções serão absorvidas por alguns departamentos e alguns funcionários ficarão disponibilizados para uma demissão. “Tomados os cuidados necessários, a fusão tem a tendência de ser um sucesso”, assegurou.
Segundo Angelica Blakely, presidente do Rotary Club de West Boca, as parcerias são uma realidade da sociedade moderna. Ela explica que esse crescimento é inevitável e deve ser encorajado pelos líderes que dela beneficiam sua comunidade ou causa. “Como todo rotariano, sou convicta de que as parcerias ajudam a melhorar a eficácia das respostas aos problemas humanitários. Aprendi, através do Rotary, que a colaboração multiplica o fator de sucesso e alcança lugares que sozinhos nunca poderíamos atingir. Por isso, defendemos as parcerias e através delas buscamos ajuda para resolver problemas difíceis da nossa sociedade”.

Angelica Blakely explica que nas boas parcerias existe um processo de confiança e conforto que se amplia à medida que os resultados vão sendo positivos e de acordo com os propósitos das partes. “Um bom exemplo é o Dia Rotary/ONU, realizado anualmente na sede das Nações Unidas em Nova York, onde nos encontramos para discutirmos projetos de comum acordo na área da saúde, água e alfabetização, tornando assim possível muitos dos objetivos das duas organizações. O Rotary tem um histórico de 66 anos com a ONU, resultado de uma parceria que tem dado certo”.

A rotariana também afirma que existem cuidados a serem tomados quando estabelecemos parcerias com outras pessoas ou entidades. Ela destaca o cuidado da complementaridade, da ética e do compromisso do trabalho.” Se na diversificação das parcerias buscamos diferentes ferramentas, na essência do trabalho sempre buscamos em nossos parceiros conceitos que vão de encontro à visão do Rotary. Além disso, a comunicação entre as partes deve ser clara e constante, permitindo imediatos ajustes, quando necessários, para garantir os resultados esperados”.

O psicólogo Josias Bezerra, diretor do Oxford Institute, vê de forma positiva o crescimento de parcerias nas relações entre líderes e empresários. Ele explica que a física quântica mostra que estamos interconectados e, por isso, dependemos do olhar e da companhia de outros para que possamos avançar com sustentabilidade. “Os líderes da pós-modernidade estão finalmente descobrindo que não podem mais fazer voos solos. O isolamento fragiliza e torna vulnerável qualquer pessoa ou organização. A Bíblia já antecipava isto quando afirma que ‘é melhor serem dois do que um só, pois, o cordão de duas dobras é mais difícil de se partir’, mostrando que parcerias fortalecem líderes e empresários”.

Josias Bezerra afirma que existem vários benefícios para as partes envolvidas numa relação de parceria. Ele destaca a importância na analisar a existência de pontos fortes e pontos fracos nesse tipo de relação. “Todos nós, indivíduos ou corporações, temos pontos fortes e pontos fracos. Ninguém é bom em tudo e não é bom cem por cento. No trabalho em parceria, pontos fortes e pontos fracos são equacionados de modo a minimizar os pontos fracos, e a maximizar os pontos fortes de cada parceiro. Assim, o todo, que é diferente das partes, se torna mais competente e, por conseguinte, mais competitivo”.

O psicólogo explica que existem cuidados a serem tomados quando estabelecemos parcerias com outras pessoas ou entidade. Ele destaca três pontos importantes para o sucesso de uma parceria. Em primeiro lugar, o cuidado com pessoas que querem acelerar demais os processos. A precipitação pode levar ao fracasso de um projeto. Em segundo, o cuidado com pessoas que colocam obstáculos em demasia e lentificam os processos. A negatividade e o medo neurótico quase sempre levam ao fracasso de um projeto. E em terceiro, cuidado com o caráter de sua eventual parceria. “Carisma conta, dinheiro conta, mas caráter conta dez vezes mais. Quer conhecer o caráter de alguém, observe-o no exercício do poder. Não negocie parceria com quem não carrega valores parecidos com os seus: o etos da parceria já nascerá deformado e a ruptura traumática será apenas uma questão e tempo”, aconselhou.

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE PARCERIAS

Uma parceria nada mais é do que a cooperação entre diferentes empresas que procuram obter uma relação que resultará em lucro e otimizará algumas funções. Além disso, a parceria é uma forma é alavancar o nome da empresa e assim conseguir mostrar seus produtos ou serviços de maneira mais competitiva no mercado.
Mas, muita atenção ao firmar parcerias. As parcerias são meios facilitadores para alcançar o sucesso, e por isso mesmo devem ser feitas com planejamento e estratégias. Estudar se a aliança será realmente positiva é indispensável para o sucesso da união.

Explore novos mercados
Entre as vantagens de uma boa parceria, está a possibilidade de expansão do negócio por meio de integração e solidificação de novos mercados. As parcerias permitem que as empresas se consolidem cada vez mais e possam acompanhá- lo na velocidade que a economia demanda, criando melhores condições de atendimento e alcançando fatias maiores do mercado.

Aprenda com os erros
É preciso estar preparado para imprevistos ou rompimento nos negócios. Se o interesse comum dá origem à parceria, o fim pode chegar por motivos variados. Novos rumos ou incompatibilidade de ideias podem acontecer e, para que nenhuma das partes saia prejudicada, é bom ter em mãos o contrato assinado no início da negociação para que se entre em um acordo. Mamoud do Grupo CGK garante: “se há alguma desvantagem na parceria, ela está ligada à palavra ganância. A parceria não é uma amizade, é um negócio”.

TIPOS DE PARCERIA
As necessidades específicas de cada empresa determinarão o tipo adequado de parceria para o negócio. Se a parceria for por um tempo pré-determinado, ela terá um tempo de duração para o desenvolvimento do projeto. A comunicação da empresa pode ser trabalhada por meio da parceria de marketing, na qual são investidas ações de publicidade nas variadas mídias. O setor administrativo e financeiro da empresa pode ficar a cargo da parceria de gestão, que cuidará exclusivamente dessa área. É importante estabelcer o tipo de parceria. A parceria de exportação, por exemplo, visa a ampliação dos negócios para o mercado externo por meio da introdução ou solidificação da empresa em novas áreas.

PARA ENTENDER A DIFERENÇA DOS CONCEITOS
O conceito de parceria, sociedade e associação é muito mais amplo, no entanto, para fins didáticos, apresentamos uma descrição desses termos de uma forma simplificada.

Parceria: é uma forma de colaboração mútua na qual as partes buscam a realização de um objetivo comum com atividades específicas.
Sociedade: é a união de pessoas que se propõe a contribuir com bens ou serviços com a finalidade de exercer uma atividade econômica e partilhar os resultados.
Associação: é a união de pessoas que se organizam para fins não econômicos.

Laine Furtado | laine@linhaaberta.com

Related posts