Como Prevenir o Câncer e Outras Doenças do Cólon e Reto

>> Dra. Giovanna da Silva Southwick

As doenças do cólon e reto (colorretais) são bastante comuns, e incluem uma variedade de patologias benígnas como a doença diverticular, hemorróidas, fissura anal, retocolite ulcerativa, doença de Crohn e incontinência fecal entre outras, e o câncer. Estudos têm demonstrado que o diagnóstico e tratamento precoce dessas doenças resultam em um sucesso maior nos resultados, e no caso do câncer, em uma melhor sobrevida. Infelizmente, grande parte das pessoas não procuram atenção médica, seja por timidez ou desconhecimento da importância dos sintomas e benefícios do tratamento precoce. Hoje nós abdordaremos alguns aspectos includindo a prevenção do câncer colorretal, da doença diverticular e das hemorróidas, que umas das três doenças mais frequentes do intestino grosso.

Câncer do Cólon e Reto
O câncer do cólon e reto (colorretal) é o segundo tipo de câncer mais comum no Estados Unidos, aftetando 140.000 pessoas por ano, sendo que 60.000 desses indivíduos morrem devido ao câncer. Esses números são bastante altos se levarmos em consideração que o câncer do intestino pode ser prevenido e curado se detectado nos estágios mais precoces.

Quais são os sintomas do câncer colorretal?
O câncer colorretal é um câncer silencioso, apresentando sintomas geralmente quando já avançado. Os sintomas mais comuns incluem sangue nas fezes, alteração do hábito intestinal, seja diarréia ou constipação, dor ou desconforto abdominal ou anal, fraqueza, anemia, sensação de gases ou distensão, ou perda de peso sem causa aparente. É importante consultar o médico assim que se notar esses sintomas.

Quais são os fatores de risco?
Apesar do câncer colorretal afetar indivíduos em qualquer idade, mais de 90% acontece em pessoas com mais de 50 anos de idade. Além da idade, outros fatores de risco incluem história familiar de câncer colorretal e pólipos, e história pessoal de retocolite ulcerativa, pólipos, câncer colorretal ou em outros órgãos como mama, ovário e útero.

O que são pólipos e qual a importância deles?
Pólipos são crescimentos anormais da mucosa do cólon, como pequenas protuberâncias, que variam de poucos milímetros até poucos centímetros. Eles começam pequenos e benígnos, mas, ao continuarem crescendo, poden se transformar em lesões malignas. A grande maioria dos câncers do intestino se originam de pequenos pólipos que cresceram sem serem notados, pois raramente os pólipos produzem sintomas.
 
Como prevenir o câncer colorretal?
O câncer colorretal pode ser prevenido! A melhor forma de prevenir é através do RASTREAMENTO, que são testes que detectam pólipos ou câncer precoce em indivíduos SEM sintomas. Isso é feito através do exame proctológico, que consiste em o toque retal, estudo de sangue nas fezes e a sigmoidoscopia ou colonoscopia. A colonoscopia é o exame mais completo pois permite a visualização do intestino grosso interio. Durante a colonoscopia pode-se fazer a retirada de material para biópsia ou de pólipos, antes que se transformem em câncer. Portanto, através da colonoscopia, além do tratamento do pólipo, faz-se também a prevenção do câncer. O exame requer a limpeza adequada dos intestinos, o que geralmente se faz no dia anterior ao exame. A colonoscopia é feita sob sedação anestésica leve, e é um procedimento ambulatorial ( vai para casa no mesmo dia).

Quando se deve começar a fazer a colonoscopia?
A colonoscopia é recomendada a partir dos 50 anos de idade em pessoas SEM sintomas e SEM os fatores de risco mencionados acima. Nos casos de maior risco, deve se começar mais cedo. Por exemplo, indivíduos com familiares de primeiro grau (pais ou irmâos) com câncer colorretal ou pólipos deve começar o reastreamento 10 anos antes da idade da pessoa quando ele ou ela foi diagnosticada ou aos 40 anos, o que ocorrer primeiro.

O que mais pode ser feito para se evitar o câncer do intestino?
Além dos exames de rastreamento nas idades adequadas, pode se abaixar o risco de desenvolver câncer do intestino mudando alguns fatores de risco possíveis de ser controlados como dieta e estilo de vida saudável.

• Dieta: A dieta rica em fibras, frutas, vegetais e reduzida em quantidade de gorduras principalmente as de origem animal e carne vermelha ou processada (presunto, cachorro quente) é importante na prevenção do câncer colorretal. É recomendado que se coma pelo menos 25 a 30 g de fibras e cerca de duas xícaras e meia de frutas/verduras ao dia. As fibras suplementares como o Metamucil e o Citrucel são de grande ajuda para que se atinja essa meta. 

• Não fume: Estudos indicam que 12% dos cancers do colon é devido ao tabaco. O cigarro não somente aumenta o risco de câncer, mas também a taxa de mortalidade secundária ao câncer. Portanto recomendo que se o leitor não fuma, não comece, e se fuma, pare assim que possível.

• Faça exercício físico: A obesidade aumenta o risco do câncer do intestino. O exercício físico moderado à vigoroso abaixa o risco de pólipos e câncer. Por isso, é importante que o exercício de modo regular seja parte de sua rotina.

• Evite o consumo de bebida alcólica em excesso: Hoje em dia se têm bastante evidência que a ingestão de mais de 45g de bebida alcoólica por dia aumenta o risco do câncer colorretal de modo importante.

• Outros: Alguns estudos têm sugerido que outros fatores como as multi-vitaminas contendo fólico ácido ou folato, vitamina D, cálcio, as drogas anti-inflamatórias não esteroidais (Motrin, Aleve) e homônios femininos usados na menopausa diminuem o risco de câncer colorretal. O seu uso porém com esse objetivo não é recomendado por falta de evidência ou devido aos efeitos adversos.

Doença Diverticular
A doença diverticular (diverticulose) afeta 50% das pessoas até a idade de 60 anos, e a maioria dos indivíduos aos 80 anos. A diverticulose é consequência da herniação da mucosa do intestino grosso por pontos fracos da parede intestinal. A maioria das pessoas com diverticulose nunca têm sintomas. A diverticulite acontece quando há inflamação dos divertículos.

Quais são os sintomas da diverticulite?
Os sintomas mais comuns são a dor abdominal (geralmente do lado esquerdo), náusea, febre e mudança no hábito intestinal como a constipação.

O que causa a diverticulite?
Acredita-se que uma das causas principas sejam os hábitos dietéticos relacionados ao refinamento da dieta industrializada.  Os alimentos refinados e a dieta pobre em resíduos parecem aumentar a contração do intestino resultando no aumento da espessura da parede intestinal.

Como prevenir a doença diverticular?
Dieta rica em fibra. A melhor maneira de se prevenir a diverticulite é manter uma dieta rica em fibra, baixa em gordura. A fibra não cura os divertículos existentes, mas pode impedir que outros divertículos venham a se formar. Além das frutas, legumes e cereais, também pode usar um produto à base de fibra (Metamucil, Citrucel), como mencionamos anteriormente, o que ajuda a aumentar o “bolo fecal” e com isso reduzir a pressão dentro do intestino.

Hemorróidas
As hemorrhoidas são uma das patologias colorretais mais comuns, afetando mais da metade da população, geralmente após os 30 anos de idade. Hemorróidas são tecidos ou vasos sanguíneos na parte final do intestino que estãos normalmente presentes em todos nós. O problema acontece quando essas veias se dilatam ou inflamam causando sintomas.

O que causa a hemorróida?
A causa exata não se sabe, porém tudo o que aumenta a pressão no reto ou enfraquece os tecidos de suporte pode causar a doença hemorroidária. Algumas das causas incluem o avanço da idade, a constipação crônica ou diarréia, o esforço para evacuar, a gravidez, e a hereditariedade.

Quais são os sintomas?
As hemorróidas podem causar sangramento nas fezes, protrusão durante a defecação, coçeira ao redor do ânus, inchaço, descomforto e a dor (se a inflamação ocorre).
 
Como prevenir?
A melhor maneira de evitar as hemorróidas é manter as fezes macias, fáceis de passar pelo canal anal. Algumas dicas para que isso aconteça incluem:
• Dieta rica em fibra: Deve-se comer mais frutas, vegetais e grãos, o que ajuda evitar a constipação que são as fezes resecadas e endurecidas.
• Fibras suplementares:  A maioria das pessoas não comem a porção de fibra recomendada na dieta, que é de 25-30g por dia. As fibras suplementares como o Citrucel, Metamucil entre outras  ajudam a a manter as fezes regulares, levando à melhora dos sintomas de forma geral.
• Beba bastante água: É importante que se tome pelo menos 6 a 8 copos de água ou outros fluidos sem cafeina por dia para que se mantenha as fezes lubrificadas. Beber bastante água e essencial quando se esta usando as fibras suplementares, pois caso contrário as fibras tornam as fezes ainda mais duras.  
• Nao force a evacuação. Prender a respiração e fazer excesso de força para evacuar gera pressão nas veias do reto, predispondo ao desenvolvimento da doença hemorroidária.
• Vá ao banheiro assim que desejar. Deve-se ir ao banheiro logo que se sente vontade. A espera fazem as fezes endurecer.
• Não leia no banheiro: O problema não é a leitura em si mas o fato de ficar sentado muito tempo no vaso sanitário tentando defecar, pois o esforço pode piorar os sintomas. 
• Exercite: O exercísio fisico regular ajuda na redução de peso e nos moviemntos intestinais regulares.
 
As hemorróidas podem levar ao câncer?
Não, mas as hemorróidas podem produzir sintomas similares aos pólipos e o câncer. Um erro bastante grave é de rotular como hemorróidas qualquer caroço ou sliência que aparece no ânus. Além disso a auto medicação é um perigo mas infelizmente muito comum. Por causa desses erros, um tumor malígno pode acabar sendo diagnosticado muito tarde.  O diagnóstico de hemorróida deve ser feita por médicos, de preferência pos especialistas na área.
Em resumo, alimentação e vida saudáveis são ótimos aliados na prevenção das doenças do cólon. Não se esqueça de fazer a coloscopia de triagem. Afinal, prevenir e melhor que remediar!

>> Dra. Giovanna da Silva Southwick é Médica Brasileira especialista em Cirurgia de Cólon e Reto Diretora de Pesquisa Clínica Cleveland Clinic, Weston, Flórida, USA.

 

Share

Related posts