Lytron
My Partner
cultureholidays

Chuvas deixam 13 mortos em Petrópolis, na Região Serrana do RJ

Pelo menos 13 pessoas morreram devido às fortes chuvas que castigam Petrópolis, na Região Serrana, desde a noite deste domingo, segundo a Defesa Civil estadual. Outras onze pessoas estão desaparecidas. Choveu mais de 300mm em 24 horas no município. O volume esperado em um mês para a cidade é de 270mm. Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, também está alerta máximo. Só em Xerém, choveu 127 mm nas últimas 24 horas. Pela manhã, a presidente Dilma Rousseff, que está em Roma, e a ministra Gleisi Hoffmann, da Casa Civil, ligaram para o governador Sérgio Cabral para oferecer todo o apoio necessário a Petrópolis e demais áreas atingidas pelas chuvas. Cabral expôs a situação e a Força Nacional de Defesa Civil já está em deslocamento para Petrópolis. Cabral tem uma reunião de trabalho em Petrópolis, nesta tarde. Há pouco mais de dois anos, a Região Serrana foi cenário da maior tragédia climática do país: oficialmente, 918 pessoas morreram, 215 desapareceram e milhares ficaram desabrigadas.

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) deslocou máquinas e mão de obra para os dois municípios mais atingidos pelas chuvas.

– A situação de Petrópolis é realmente muito, muito grave – disse, ao “Bom dia Rio” o secretário estadual de Meio Ambiente, Carlos Minc, ressaltando que o prefeito do município já decretou estado de emergência no município.

No início da tarde desta segunda, uma barreira deslizou na Rua Gastão Marques Lamounier, no bairro Mauá, em Petrópolis. E uma casa ameaça desabar. A família conseguiu sair do imóvel antes do desabamento, mas a rua foi bloqueada. Não há como os moradores passarem. Um carro foi parcialmente soterrado pela barreira.

Um morador da rua, Rogério Brum Curi, por pouco não ficou soterrado. A barreira caiu quando ele tentava sair de casa para telefonar.

—Pior é que a tendência é que a casa desabe. Mas desta vez a família conseguiu sair. Agora estamos ilhados, porque a outra saída da rua também está bloqueada.

Uma senhora que mora na casa que ameaça desabar conta que está abrigada na casa de vizinhos:

– Primeiro ouvimos um estalo e depois a encosta desabou. Só deu tempo de pegar os documentos.

Vizinhos relatam que há mais pessoas mortas soterradas na localidade de Espírito Santo, no bairro Quitandinha, em Petrópolis. Bombeiros resgataram na manhã desta segunda-feira o corpo de uma menina de 12 anos. De acordo com vizinhos, pelo menos cinco casas foram soterradas às 22h30m deste domingo. Um muro e parte da encosta deslizou. A moradora Ana Lúcia Bueno contou que nas casas moravam pelo menos nove crianças:

— Só em uma das casas havia sete crianças e adolescentes. Tentei correr para ajudar quando escutei os gritos, mas fui impedida pelo meu filho. Se tivesse ido, talvez eu agora estivesse morta, como um vizinho que foi ajudar e não voltou. Muita gente gritava por socorro. Foi um desespero.

Segundo informações de vizinhos, dois bombeiros que foram socorrer as vítimas logo após o desabamento também ficaram soterrados. Um deles foi resgatado com vida, mas não teria resistido. O outro ainda estaria soterrado.

O prefeito de Petrópolis, Rubens Bomtempo, confirmou que dois dos mortos eram funcionários da Defesa Civil e trabalhavam no resgate de vítimas quando foram atingidos por um deslizamento. As chuvas causaram desabamento em diversos pontos da cidade e há pessoas soterradas. Foram registradas mortes em quatro bairros: Quitandinha, Bigen, Alagoas e Independência. Segundo o Instituto Estadual do Ambiente, os rios Quitandinha e Piabanha estão em alerta máximo.

Segundo o Inea, entre 7h30m deste domingo e 7h30m desta segunda-feira, na região de Petrópolis, choveu quase 330 mm sobre Morim; 387 mm no Quitandinha; 327 mm em Coronel Veiga e também no posto LNCC, e 277 mm no posto de medição em Independência.

Equipes do 15º GBM estão trabalhando nas ruas. Segundo o a Defesa Civil estadual, o 1º distrito (Centro) do município está alagado e houve deslizamentos de terra em oito pontos da cidade e sirenes foram acionadas em nove comunidades. Em Teresópolis também houve desmoronamentos, mas não há informações sobre mortes.

– Os rios voltaram à sua calha na manhã desta segunda, houve vários pontos de alagamento, no Centro da cidade especialmente. O problema é que nós temos previsão de chuvas continuadas para toda segunda-feira. O prefeito já fez um apelo para que as pessoas permaneçam em suas casas, decretou feriado escolar e a preocupação passa a ser o acumulado de chuvas, a possibilidade de novos deslizamentos de terra – afirmou o secretário estadual de Defesa Civil, Sérgio Simões, em entrevista ao "Bom dia Rio".

Além dos colégios públicos e particulares, as universidades também suspenderam as aulas. Todo o comércio do Centro Histórico permanece fechado.

A forte chuva também afetou Teresópolis, na Região Serrana. A Defesa Civil municipal continua em estágio de atenção. Segundo a prefeitura, nas últimas 24 horas foi registrado um acumulado de 160,8mm de chuva na comunidade do Rosário, de 100mm no Corta Vento e de 89,4mm na Quinta Lebrão. As sirenes do Sistema de Alerta e Alarme do Vale da Revolta, Ilha do Caxangá, Rosário e Coreia, consideradas áreas críticas para deslizamento de terra e de inundação, foram acionadas. Alguns moradores do Vale da Revolta e da Ilha do Caxangá passaram a noite em pontos de apoio e retornaram para suas casas no início da manhã desta segunda-feira. Houve registro de transbordamento de rio nas localidades de Três Córregos, Vargem Grande e Imbiú.

Chuva deve continuar durante todo o dia

A chuva deverá continuar durante quase toda esta segunda-feira no Estado do Rio, segundo o Climatempo. Áreas de instabilidade de uma frente fria continuam sobre o Rio de Janeiro e provocam mais chuva. Já foram registrados volumes de chuva extremamente elevados na Baixada Fluminense e na Região Serrana, causando grandes alagamentos e deslizamento de encostas.

No mesmo período, na Baixada Fluminense, o posto de medição de Xerém/Mantiquira acumulava quase 121 mm, o de Raiz da Serra registrava 139 m, Ponte de Ferro Piabeta já havia recebido quase 97 mm de chuva, .

Na região de Nova Friburgo, o posto do Pico Caledônia tinha acumulado 179 mm de chuva entre 7h30m de domingo e 7h30 desta segunda.

Pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia , no período entre 7h de domingo e 7h desta segunda, choveu quase 202mm sobre Teresópolis, 159mm em Xerém, 138mm no Pico do Couto (região de Petrópolis) e 143mm em Nova Friburgo. A média de chuva para março neste local é de aproximadamente 151mm.

Chuva diminui nesta terça

Segundo o Climatempo, todos esses volumes são excepcionais e representam mais do que a média normal para todo o mês de março. Para terça-feira, a previsão é de que a Região Serrana, a Baixada Fluminense e o Grande Rio já tenham períodos sem chuva no decorrer do dia. Na quarta-feira são esperados períodos com sol. Porém, outra frente fria deve provocar mais chuva no fim da semana.

Aeroporto fechado para pousos

Aeroporto Santos Dumont ficou fechado das 7h05m às 7h20m para pousos. Após reabrir, opera por instrumentos para pousos e decolagens. Já o Internacional Tom Jobim opera por instrumentos para pousos e decolagens.

 

Share

Related posts