Lytron
My Partner
cultureholidays

Morre o presidente da Venezuela Hugo Chávez

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, morreu aos 58 anos nesta terça-feira. A informação foi confirmada pelo vice-presidente Nicolás Maduro em cadeia de televisão pouco antes das 19h. Ontem, um boletim do governo informava que o estado de saúde do líder, operado quatro vezes de um câncer, havia piorado.

Hugo Chávez Frias nasceu em Sabaneta, no Estado venezuelano de Barinas, em 28 de julho de 1954. Era o segundo de seis filhos de uma pobre família, encabeçada por um professor de colégio, Hugo de los Reyes Chávez, e sua mulher, Elena Frías. Aos 17 anos, em 1971, entrou para a Academia de Ciências Militares da Venezuela, na qual se formou em 1975, ao 21 anos.

Formado, o jovem Chávez iniciou carreira dentro do Exército, na qual acumulou recomendações e chegou ao posto de Lugar-Tenente. Junto aos colegas, ficou famoso por discursos, nos quais começava a desenvolver críticas ao governo venezuelano, então baseado numa fórmula rígida de bipartidarismo . Foi no Exército que começou a cultivar o conceito do bolivarianismo, quando formou um grupo secreto, denominado Movimiento Bolivariano Revolucionario 200 (MBR).

Em 1989, Caracas foi o cenário de violentos protestos contra medidas neoliberais tomadas pelo governo do presidente Carlos Andres Perez com o objetivo de solucionar a crise econômica vivida pela Venezuela. Foi neste cenário que, em 1992, Chávez e outros militares tentaram um golpe de Estado. Numa manhã de fevereiro, cinco esquadrões de soldados tomaram partes de Caracas, incluindo o palácio presidencial Miraflores, mas falharam em manter o controle da cidade.

O golpe acabou neutralizado, e Chávez, preso. Antes do cárcere, Chávez foi entrevistado por jornalistas. Falando ao povo, começou a criar simpatia entre a população mais pobre da Venezuela. Em novembro do mesmo ano, simpatizantes da causa de Chávez tentam um novo golpe de Estado em um ataque aéreo contra o complexo presidencial do presidente. O ataque, que contou com o apoio de Chávez, acabou impedido pelas forças armadas leais a Perez.

O presidente, no entanto, não resistiu a um escândalo de corrupção que acabou o derrubando, em 1993. Rafael Caldera, vencedor das eleições de 1994, perdoou Chávez, concedendo-lhe anistia. O tenente saiu da prisão e, deixando a carreira militar de lado, entrou para a política. Em 1997, Chávez transformou o até então clandestino MBR em partido político, criando o Movimento da Quinta República.

Em 1998, já conhecido e contando com amplo apoio popular, Chávez concorreu e venceu as eleições presidenciais, com expressivos 56% dos votos no primeiro turno. Em 1999, em uma de suas primeiras ações, dissolveu o Congresso e convocou uma Assembleia Nacional Constituinte. Ele propôs e conseguiu implementar uma nova constituição, na qual mudava o nome do país para República Bolivariana da Venezuela, e abria espaço para uma série de projetos populares, facilitados pela ferramenta jurídica da Lei Habilitante. Uma das medidas mais marcantes foi a Lei de Hidrocarbonetos, que colocava em 51% a participação estatal no setor petrolífero.

A alteração da Constituição exigia que novas eleições fossem realizadas para a formação de um novo governo. Em 2000, Chávez e seus aliados foram eleitos sem dificuldades (o presidente inclusive superou o desempenho de 1998, abocanhando 60% dos votos). 

Oposição terá de se renovar para enfrentar Maduro

Derrotado nas eleições de dezembro, Henrique Caprilles, provável adversário do vice-presidente, terá de buscar união interna antes de se lançar à campanha

Com a morte de Hugo Chávez e o anúncio de novas eleições, a oposição volta a ter uma chance de assumir o poder na Venezuela. A tarefa não será fácil, uma vez que os opositores saíram da derrota na disputa presidencial do ano passado para um fraco desempenho nas eleições regionais de dezembro. No entanto, a campanha poderá marcar a renovação opositora no país para fazer frente a uma provável vitória de Nicolás Maduro.

Coube ao chanceler Elias Jaua anunciar na noite de terça-feira que Nicolás Maduro será o candidato do governo nas eleições. Confirmado na condição de candidato, o vice-presidente terá pela frente um período em que comandará o país oficialmente como interino. E terá todo o aparato do governo à disposição para superar quem for enfrentá-lo, além de possivelmente ser favorecido pelo clima de luto no país e o curto período até as eleições – previstas para serem realizadas em 30 dias. As primeiras declarações de autoridades do governo apontam para uma preocupação maior de manter as bandeiras de Chávez do que de garantir uma transição baseada no texto constitucional.

A oposição deverá mais uma vez apostar em Henrique Capriles, que duelou com o coronel na campanha presidencial do ano passado e impôs a ele a mais difícil disputa de seus 14 anos no poder. No final, o “militante centrista moderado e obstinado”, como descreveu a revista britânica The Economist, perdeu para Chávez, mas conseguiu reduzir a margem de vitória do coronel de 26 pontos percentuais em 2006 para 11 pontos em 2012. Capriles conquistou quase 6,5 milhões de votos, 44% do total. Em dezembro, foi reeleito governador do estado de Miranda, onde fica a capital Caracas.

O jornal britânico The Guardian, alerta, no entanto, que possíveis fissuras podem minar os esforços opositores. O diário afirma que a coalizão Mesa da União Democrática “pode rachar” sem o amálgama propiciado pela aversão a Chávez. “Uma tradição de traição e arrogância pode ressurgir se figuras como Henri Falcón, governador do estado de Lara, desafiar Capriles pela nomeação”.

Governistas – O risco de ruptura, no entanto, também está presente entre os governistas, que unificaram o discurso durante a convalescência do coronel para tentar mostrar que Chávez ainda comandava o país. Sem a figura do mandatário, no entanto, a disputa entre Maduro e Diosdado Cabello, chefe da Assembleia Nacional e vice-presidente do partido governista, o PSUV, pode aflorar. Mesmo sem contar com o carisma do coronel, Maduro tem o apoio de ministros e dos irmãos Castro, que consideram o vice uma garantia de continuidade do financiamento venezuelano à Cuba.

Cabello não tem a mesma abertura que Maduro entre os Castro, mas tem melhor trânsito no setor militar. Além de mais experiência no Executivo, tendo, inclusive, ocupado a Presidência em 2002, quando Chávez sofreu um golpe de estado relâmpago nos dias 13 e 14 de abril. Sua primeira determinação como presidente interino foi enviar um grupo de elite para resgatar o presidente afastado na ilha de La Orchilla, ao norte de Caracas. Foi também ministro do Interior (2002), da Justiça (2003), da Infraestrutura (2003-2004) e governador do estado de Miranda, entre 2004 e 2008. Ao ser derrotado no estado pelo oposicionista Henrique Capriles, sua força no chavismo foi questionada, mas acabou nomeado para comandar o Ministério de Obras Públicas. Em 2010, elegeu-se deputado. A influência no governismo foi retomada com a vice-presidência do PSUV, em dezembro de 2011.

No final, seja quem for o futuro presidente da Venezuela, comandará um país diferente, sem a figura centralizadora de Chávez e com enormes desafios políticos e econômicos a serem enfrentados. “Em regimes tão personalistas, no momento em que a pessoa que controla tudo é removida, toda a base se torna muita fraca porque não há mais nada para apoiá-la, além dessa figura”, disse Javier Corrales, professor de ciência política, ao jornal americano The New York Times.

Share

Related posts