Lytron
My Partner
cultureholidays

Agência que rebaixou nota dos EUA fez avaliação ‘precipitada’, diz Dilma

Agência que rebaixou nota dos EUA fez avaliação ‘precipitada’, diz Dilma

‘Não somos imunes, não vivemos numa ilha’, afirmou presidente.
Ela recebeu no Planalto primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper.

Presidenta Dilma Rousseff recebeu nesta segunda-feira (8) o primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper  (Foto: Roberto Stuckert Filho / Presidência)
Dilma Rousseff recebe o primeiro-ministro do
Canadá, Stephen Harper (Foto: Roberto Stuckert
Filho / Presidência)

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira (8), durante declaração conjunta com o primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper, no Palácio do Planalto, que é “precipitada” a avaliação do rebaixamento da nota de crédito dos Estados Unidos na última sexta-feira (5) pela agência Standard and Poor’s.

“Quero deixar claro que não compartilhamos com a avaliação precipitada e um tanto quanto rápida e, eu diria, sim, não correta, da agência que diminuiu o grau de valorização de crédito dos Estados Unidos, a Standard and Poor’s”, disse a presidente.

Dilma reafirmou que hoje o Brasil está mais forte para enfrentar a crise econômica mundial. “Expressei ao primeiro-ministro Harper uma análise sobre a situação do Brasil. Hoje, nós estamos muito mais fortes para enfrentar a crise do que no final de 2008 e no início de 2009. Temos quase 60% a mais de reservas. Hoje, chegamos a quase US$ 350 bilhões. Temos muito mais recursos depositados no Banco Central a título de compulsório. Hoje, um pouco mais que o dobro, US$ 420 bilhões de reservas é o que possuímos no Banco Central”.

Apesar de afirmar que o Brasil está mais preparado para enfrentar crises, Dilma disse que o país não está imune aos eventuais desdobramentos da atual crise.

“Mas temos clareza que não somos imunes, não vivemos numa ilha, mas sabemos que o Brasil tem força suficiente, e quero crer que o Canadá também, para fazer face a essa conjuntura”, declarou.

Coordenação política
Dilma discutirá a crise econômica mundial durante reunião de coordenação política do governo  na tarde desta segunda-feira (8). Segundo relato da ministra da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Helena Chagas, Dilma está “atenta” e acompanhando com preocupação a crise econômica.

Os mercados mundiais operam em baixa nesta segunda-feira, no primeiro dia de negociações após o rebaixamento da nota de crédito dos Estados Unidos na última sexta-feira (5) pela agência Standard and Poor’s.

O rebaixamento gerou incerteza ao piorar a nota dos Estados Unidos, que até então era considerado o melhor pagador do mundo entre os muitos países que emitem papéis para vender e pegar dinheiro emprestado no mercado financeiro.

Durante a reunião de coordenação, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, fará uma análise da crise econômica mundial. Mantega vem informando constantemente a presidente sobre os desdobramentos da crise. Na última sexta-feira, na Bahia, Dilma afirmou que o Brasil está mais preparado do que em 2008 para enfrentar crises econômicas.

Dificuldades
A ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, afirmou na manhã desta segunda, na abertura do seminário Políticas Públicas para a Nova Classe Média, promovido pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência, que “a situação da economia internacional é “séria”. Segundo ela, a dificuldade de recuperação das economias europeias e da própria economia norte-americana é considerável”.

“”No Brasil, temos que agir com cuidado e responsabilidade, como estamos agindo, para impedir que essa realidade interfira no nosso crescimento e estabilidade. A última coisa que queremos, a última coisa que podemos permitir, é colocar em risco o projeto de desenvolvimento do nosso país. Os tempos são duros e precisamos estar preparados para proteger o Brasil desta grave crise””, afirmou a ministra.

Share

Related posts