Dependentes de gadgets, usuários se esquecem de coisas simples e raciocinam menos

O professor do MIT Nicholas Carr já disse em seu livro “The big switch” que a internet está nos deixando mais burros e dificultando o aprendizado. Agora, o jornalista especializado em TI Robert Vamosi, autor de “When gadgets betray us” (“quando os gadgets nos traem”), defende que não só a rede, mas nossa dependência crescente de PCs, celulares, tablets e afins está afetando nossa capacidade de raciocinar. Num trecho do livro, ele dá o exemplo de uma mulher tão concentrada no GPS de seu smartphone no interior da Inglaterra que, ao parar o carro e abrir a porteira de uma fazenda que a levava a seu destino, não viu que estacionara sobre uma linha de trem. Logo uma composição passou em alta velocidade e esmagou seu carro, a metros dela. “Pude sentir o vento no meu rosto”, contou ela.

Como mostra reportagem de André Machado, publicada na edição do GLOBO desta segunda-feira, o vício em internet (em inglês, internet addiction disorder) já afeta entre 5% e 10% dos internautas, segundo números da Universidade de Harvard, nos EUA. Estudos do Centro para Comportamento na Internet acrescentam que 6% dos usuários são propensos a compulsão ao acessarem serviços como sites de sexo, jogos, apostas e compras. Já há centros para tratar essa dependência como o ICAS (Internet and Computer Addiction Services) e o reSTART Internet Addiction Recovery Program, que tem até 12 passos que lembram um pouco os dos Alcoólicos Anônimos.

– Relatos de pais sobre a vida tecnológica de seus filhos demonstram que isso acontece com frequência – confirma o psiquiatra Maurício Tostes, do Hospital da UFRJ. – É preciso observar se a compulsão não é uma fuga de frustrações no trabalho, no estudo ou na vida pessoal.

Entre os efeitos da dependência está a perda de velhos hábitos. Por exemplo: com memórias cada vez mais abundantes nos equipamentos, criam-se agendas intermináveis e a antiga capacidade de decorar números acaba ficando de lado.

– Eu não sei mais nem o número de telefone da minha casa – confessa Alexandra Monteiro, diretora do Laboratório de Telessaúde da UERJ. – Creio que isso se deve às limitações de nossa memória cerebral, que, na nossa geração, não foi “treinada” para isso e vem perdendo as funções fisiológicas de armazenamento com o estímulo das diversas mídias.

Bruno Salgado, diretor da empresa de consultoria de segurança Clavis, está tão dependente da tecnologia em sua vida que, numa viagem a São Paulo na semana passada, usou a internet até dentro do táxi, todos os dias.

– Eu e meus colegas tínhamos dois eventos para ir – conta. – Mesmo sem saber o endereço, entrávamos no táxi e pedíamos que nos levasse a determinado bairro. Durante o trajeto, checávamos o endereço pela internet e o passávamos ao motorista. Também usávamos a web e o GPS para achar restaurantes nas redondezas de nosso hotel e verificávamos on-line o que havia no cardápio.

Salgado lembra que hoje nem mesmo um apagão impede a navegação on-line, via notebooks e smartphones – pelo menos até o fim da bateria.

A dependência – que pode, segundo as instituições especializadas, ocasionar compulsões específicas como o vício em teclar SMS – é mais visível na geração Y, que já nasceu conectada à rede e vive em função das redes sociais e afins. É o caso da estudante universitária Gabriela Caesar, tão apaixonada por seu iPhone que quase esqueceu a matemática.

– Nas aulas de matemática na escola era proibido usar calculadora. Quando saí do colégio desaprendi a fazer conta – admite. – Uso a calculadora do iPhone para calcular qualquer coisa, como média de determinada matéria da faculdade. Quando recebo troco? Não confiro. E não sou a única, com colegas às vezes acontece o mesmo.

Share

Related posts