Lytron
My Partner
cultureholidays

Copa 2014: Apesar das críticas reforma do Maracanã é acelerada

Obras entram em nova fase, com construção de fundação para arquibancadas. Projeto executivo e orçamento final serão entregues ao TCU na terça-feira

Operários trabalham diuturnamente para terminar as obras dentro do prazoOperários trabalham diuturnamente para terminar as obras dentro do prazo (Secretaria estadual de Obras / Divulgação)

O orçamento final da reforma do Maracanã para a Copa do Mundo ainda é desconhecido, mas as obras no estádio foram aceleradas esta semana – sob uma saraivada de críticas em relação ao total de gastos, que, estima-se, ultrapasse 1 bilhão de reais. Desde a última segunda-feira, os 800 funcionários passaram a trabalhar em dois turnos – das 7 horas às 17 horas e das 19 horas às 5 horas – e, segundo o vice-governador e secretário de Obras, Luiz Fernando Pezão, os trabalhos podem passar a acontecer 24 horas por dia, caso haja necessidade.

“Já estamos trabalhando com o segundo turno e, se houver necessidade, implantaremos um terceiro turno. Nosso compromisso com a Fifa é entregar o estádio em dezembro de 2012. Teremos, então, o mais belo estádio do mundo oferecendo conforto e qualidade aos espectadores”, frisou Pezão.

Divulgação

As novas cadeiras vermelhas do Maracanã: transformação radical no visual do interior do estádioAs novas cadeiras vermelhas do Maracanã

Esta semana, começaram a ser construídas as fundações para as novas arquibancadas e as rampas de acesso externas. Já foram concluídos 90% das demolições das arquibancadas dos anéis inferior e superior, vestiário, salas de rádio e camarotes. O projeto prevê mudança na posição dos camarotes, que ficarão entre as arquibancadas inferior e superior. As cadeiras ficarão 12 metros mais perto do campo, chegando à beira do gramado, e serão elevadas em cinco metros, para que melhorar a visibilidade do público.

Na próxima terça-feira, o governo estadual finalmente apresentará aos técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU) e da Controladoria Geral da União (CGU) o projeto executivo e o orçamento final. O custo da reforma deve ficar acima do valor orçado, subindo de 705 milhões de reais para cerca de 1 bilhão de reais. O motivo principal seria a necessidade de substituir a cobertura existente, que foi condenada por laudos de órgãos externos, incluindo um internacional.

Share

Related posts