Utah assina 4 leis e legalização

O governador de Utah assinou hoje um pacote de quatro leis de imigração que mudam a forma como o estado trata os imigrantes indocumentados – e pode até influenciar toda a nação.

“Utah está fazendo a coisa certa, está fazendo algo difícil, mas não fazer nada não é uma opção,” disse o governador Gary Herbet, durante cerimônia de assinatura no “Gold Room” do capitólio.

Das quatro leis assinadas, três delas (HB466, HB469, HB497) não viram tanta resistência quanto a HB116, a lei que cria um programa de “trabalhador convidado,” e determina que o estado dê autorização de trabalho para os ilegais, que passarem por uma checagem do histórico criminal.

“Essa nova lei coloca uma chancela de aprovação à imigração ilegal e àqueles que entraram nesse país ilegalmente. Isso confirma que Utah á mesmo um ‘estado santuário,’” disse Arturo Morales-Llan, fundador da ONG “Imigrantes Legais a Favor da Aplicação das Leis.”

Morales-Llan disse que Herbert ignorou uma petição on-line que ele fez circular, e que teve o apoio de 4.500 residentes que eram contra a HB116.

Das outras três leis, uma determina que o estado use a polícia para checar o status imigratório de imigrantes presos por alguma violação séria das leis, outra dá o direito de um cidadão americano e de um empresário de patrocinar a legalização de um trabalhador imigrante, e uma terceira forçaria os empregadores a usarem sistema para detectar o status ilegais dos trabalhadores.

No entanto, vários setores da sociedade de Utah foram a favor de criar leis que inclusive legalizassem os cerca de 110 mil imigrantes indocumentados do estado.

“Nós sentimos que os legisladores fizeram um ótimo trabalho, a respeito de um tema tão complexo,” disse David Burton, atual bispo da Igreja dos Mórmons, que fez campanha em apoio à HB116.

Já o chefe de polícia de Salt Lake City, Chris Burbank, disse que apóia a lei. Burbank disse ainda que imigração tem trazido de volta preconceitos raciais que já não viam em Utah, e que os “policiais estãos sendo pegos no meio do problema.”

O policial citou o exemplo de um trabalhador imigrante que morreu depois de um acidente numa indústria local, pois não foi buscar atendimento médico por temer que ele pudesse ter sido entregue ao Departamento de Imigração.

Segundo a lei HB116, o imigrante que tenha entrado nos EUA pela fronteira do México, deve pagar multa de US$ 2.500, e passar por uma checagem do histórico criminal, antes de ser legalizado. Já àquele imigrante que entrou como turista e ficou nos EUA após o visto de permanência expirar, a multa seria de US$ 1 mil.

No entanto, como o tema imigração é de jurisdição do governo federal, Utah ainda aguarda a aprovação da Casa Branca para conceder autorização de trabalho para os ilegais. Na cerimônia de hoje foi revelado que a legalização dos imigrantes só deve acontecer a partir de julho de 2013.

Nas últimas duas semanas, o procurador-geral de Utah, Mark Shurtleff, tem promovido algumas reuniões com membros da Administração Obama para obter a autorização necessária do governo federal.

“Nós sabemos que somos, talvez, o estado mais conservador da União. A necessidade de reformar as nossas leis imigratórias é clara. O país pode olhar para Utah como um bom modelo,” disse ele.

Nas suas últimas palavras durante a cerimônia de hoje, o governador Gary Herbert disse que o pacote de leis “não é perfeito.” Mas acrescentou dizendo que algo tinha que ser feito, “porque a frustração com o sistema imigratório está se transformando em ódio.”

Durante a cerimônia,o Governador Gary Herbert (D) cumprimenta David Burton, bispo da Igreja dos Mórmons

O governador de Utah assinou hoje um pacote de quatro leis de imigração que mudam a forma como o estado trata os imigrantes indocumentados – e pode até influenciar toda a nação.

“Utah está fazendo a coisa certa, está fazendo algo difícil, mas não fazer nada não é uma opção,” disse o governador Gary Herbet, durante cerimônia de assinatura no “Gold Room” do capitólio.

Das quatro leis assinadas, três delas (HB466, HB469, HB497) não viram tanta resistência quanto a HB116, a lei que cria um programa de “trabalhador convidado,” e determina que o estado dê autorização de trabalho para os ilegais, que passarem por uma checagem do histórico criminal.

“Essa nova lei coloca uma chancela de aprovação à imigração ilegal e àqueles que entraram nesse país ilegalmente. Isso confirma que Utah á mesmo um ‘estado santuário,’” disse Arturo Morales-Llan, fundador da ONG “Imigrantes Legais a Favor da Aplicação das Leis.”

Morales-Llan disse que Herbert ignorou uma petição on-line que ele fez circular, e que teve o apoio de 4.500 residentes que eram contra a HB116.

Das outras três leis, uma determina que o estado use a polícia para checar o status imigratório de imigrantes presos por alguma violação séria das leis, outra dá o direito de um cidadão americano e de um empresário de patrocinar a legalização de um trabalhador imigrante, e uma terceira forçaria os empregadores a usarem sistema para detectar o status ilegais dos trabalhadores.

No entanto, vários setores da sociedade de Utah foram a favor de criar leis que inclusive legalizassem os cerca de 110 mil imigrantes indocumentados do estado.
“Nós sentimos que os legisladores fizeram um ótimo trabalho, a respeito de um tema tão complexo,” disse David Burton, atual bispo da Igreja dos Mórmons, que fez campanha em apoio à HB116.

Já o chefe de polícia de Salt Lake City, Chris Burbank, disse que apóia a lei. Burbank disse ainda que imigração tem trazido de volta preconceitos raciais que já não viam em Utah, e que os “policiais estãos sendo pegos no meio do problema.”

O policial citou o exemplo de um trabalhador imigrante que morreu depois de um acidente numa indústria local, pois não foi buscar atendimento médico por temer que ele pudesse ter sido entregue ao Departamento de Imigração.

Segundo a lei HB116, o imigrante que tenha entrado nos EUA pela fronteira do México, deve pagar multa de US$ 2.500, e passar por uma checagem do histórico criminal, antes de ser legalizado. Já àquele imigrante que entrou como turista e ficou nos EUA após o visto de permanência expirar, a multa seria de US$ 1 mil.

No entanto, como o tema imigração é de jurisdição do governo federal, Utah ainda aguarda a aprovação da Casa Branca para conceder autorização de trabalho para os ilegais. Na cerimônia de hoje foi revelado que a legalização dos imigrantes só deve acontecer a partir de julho de 2013.

Nas últimas duas semanas, o procurador-geral de Utah, Mark Shurtleff, tem promovido algumas reuniões com membros da Administração Obama para obter a autorização necessária do governo federal.

“Nós sabemos que somos, talvez, o estado mais conservador da União. A necessidade de reformar as nossas leis imigratórias é clara. O país pode olhar para Utah como um bom modelo,” disse ele.

Nas suas últimas palavras durante a cerimônia de hoje, o governador Gary Herbert disse que o pacote de leis “não é perfeito.” Mas acrescentou dizendo que algo tinha que ser feito, “porque a frustração com o sistema imigratório está se transformando em ódio.”

Share

Related posts