Lytron
My Partner
cultureholidays

Gates reafirma que EUA pode implantar bloqueio aéreo

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, afirmou que as Forças Armadas de seu país, que já estão imersas em duas ocupações (Iraque e Afeganistão), não teriam problemas em impor uma zona de exclusão aérea na Líbia se o presidente americano, Barack Obama, assim determinar.

Em declarações divulgadas no domingo (13) pelo Pentágono, Gates afirmou que “se for necessário impor uma zona de exclusão aérea, temos os recursos para fazê-lo”. “A questão não é se nós e nossos aliados podemos fazê-lo. Nós podemos fazê-lo. A questão é se é inteligente fazê-lo. E essa é a discussão política que estamos tendo”, ressaltou. As declarações de Gates se produzem poucos dias depois de ele ter afirmado no Congresso que impor uma zona de exclusão aérea requereria uma grande operação militar que seria complicada e que exigiria recursos consideráveis.

Há um consenso crescente de que uma intervenção externa será necessária para tirar o ditador Muammar Khadafi do poder na Líbia. A zona de exclusão aérea poderia ser o primeiro passo para isso, e já conta com o apoio dos rebeldes líbios e da Liga Árabe. No Conselho de Segurança da ONU, que deve dar o aval para a operação, EUA, França e Reino Unido, aliados, já cortaram relações com o governo da Líbia, o que poderia favorecer uma ação militar. Os outros dois membros do Conselho de Segurança – Rússia e China – são tradicionalmente mais reticentes quanto a intervenções externas, mas nesta segunda Moscou também se distanciou de Khadafi.

O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, proibiu por decreto a entrada e o trânsito pelo país do líder líbio, Muammar Kadafi, e aos membros de sua família e de seu entorno próximo. O decreto presidencial, assinado em cumprimento das sanções adotadas pelo Conselho de Segurança contra o regime de Khadafi, inclui uma lista de 15 “pessoas físicas as quais se proíbe a entrada em território da Rússia e o trânsito através dela”.

Além disso, Medvedev proibiu Khadafi e os membros de seu entorno realizar qualquer tipo de operação bancária e financeira no território da Rússia. Anteriormente, no último dia 10, o presidente russo ordenou a proibição das provisões de armas ao regime de Kadafi. Segundo alguns especialistas, a Rússia, que é um dos principais provedores de armas da Líbia, poderia deixar de receber até US$ 4 bilhões em caso de um embargo prolongado sobre as provisões de material bélico a Trípoli.

Share

Related posts