cultureholidays
My Partner
Lytron

SP tem o mês de janeiro mais chuvoso desde 1947, diz Inmet

A cidade de São Paulo bateu o recorde de chuva para o mês de janeiro, que vigorava desde 1947. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), que faz medições na estação meteorológica do Mirante de Santana, na Zona Norte da capital, o total acumulado de chuva até as 10 horas desta quarta-feira é de 493,7 milímetros. De acordo com o meteorologista Marcelo Schneider, do Inmet, em 1947, foram registrados 481,4 milímetros de chuva. A medição do Inmet é feita no Mirante de Santana desde 1943.

O volume de chuva registrado nestes 25 dias de janeiro de 2011 está 89% acima da média normal para o mês que é de 261 milímetros. E o mês ainda nem terminou.

Segundo o meteorologista, a medição feita no Mirante de Santana nas últimas 24 horas apontou 26,8 milímetros de chuva na capital. Até segunda-feira, o total acumulado era de 466,9 milímetros.

O meteorologista do Inmet explica que vários fatores contribuem para tanta chuva neste mês de janeiro em São Paulo. De acordo com Schneider, houve pouca chuva entre o inverno e a primavera de 2010. Os meteorologistas têm observado que em anos em que o fenômeno La Niña está ativo (que é o resfriamento anormal das água do Oceano Pacífico) mais chuva tem sido registrada em janeiro e dezembro.

– Os fenômenos La Niña e El Niño (aquecimento das águas do Pacífico) não são decisivos para chuvas acima ou abaixo da média em janeiro. Mas temos observado que em primaveras mais secas, quando o La Niña está ativo, há compensação de chuva em dezembro e janeiro. Isso porque as frentes frias chegam mais perto da costa – explica o meteorologista.

Ele explica que essas frentes frias estão encontrando as águas do oceano mais quentes, com cerca de 1,5 a 2 graus acima da média, o que acaba causando mais intensidade de chuvas.

– Quando as frentes frias vieram do Sul, entre a segunda quinzena de dezembro e a primeira de janeiro, elas estacionaram na costa sul do estado. Essas frentes frias encontram águas mais quentes no oceano e também mais umidade, que é comum nesta época, o que acaba provocando as chuvas fortes – diz o meteorologista.

Outro fator que contribui para as chuvas mais intensas em São Paulo é a impermeabilização do solo, a chamada ‘ilha de calor’. Segundo o Inmet, as temperaturas máximas no Mirante de Santana têm chegado a até 32 graus neste janeiro. Em outros lugares da cidade, os termômetros sobem até 33 graus. O calor e a umidade típica da época acabam resultando em chuva forte.

A previsão é que os temporais com forte intensidade continuem na cidade durante as tardes. A partir desta quinta, no entanto, as tempestades tendem a ficar mais isoladas, prevê o Inmet.

Share

Related posts